O ano de 1985 havia sido, até então, o de maior glória para o futebol paranaense, já que o Coritiba sagrou-se campeão brasileiro de futebol no início da temporada.

Na época, o calendário era diferente do atual e o certame Nacional era disputado no primeiro semestre, enquanto que o Estadual no segundo. Em 1985, o Atlético foi campeão paranaense e surgiu a idéia de ser feito um Atletiba comemorativo para entrega de faixas de campeão brasileiro aos jogadores do Coritiba e de campeão paranaense aos do Atlético.

Apesar da chuva ininterrupta que caiu em Curitiba no dia 27 de novembro daquele ano e o público pequeno no Couto, tudo corria bem até os 42 minutos do primeiro tempo. A zaga do Coritiba saiu da marcação e Detti, volante do rubro negro, lançou para ele mesmo para depois tocar em Nivaldo, que fez o gol. Os jogadores do Coritiba se enfureceram e pediram impedimento. Após a confusão, o árbitro expulsou de campo Edson e Gomes. Perdendo o jogo e com dois a menos, alguns jogadores do Verdão fizeram o famoso “cai cai” e o jogo terminou.

O comentarista esportivo, Nivaldo Carneiro, autor do gol solitário da partida, disse que o lance foi legal. “Não teve impedimento. O problema é que Atletiba pode ser amistoso ou decisão, mas ninguém quer perder. Como o Coritiba estava com dois jogadores a menos deram um jeito de acabar a partida. Jogadores do banco sumiram inclusive”, relatou.

Para o clássico de domingo, a expectativa é de equilíbrio. “O Atlético vive um melhor momento em relação à tranqüilidade. O jogo é importante para o Coritiba. Acredito que o Coxa vá pra cima e o Atlético se posicione para contra atacar. Não dá pra arriscar um palpite”, concluiu.

O goleiro Rafael Camarotta, campeão brasileiro em 85 pelo Coritiba, foi um dos envolvidos no episódio do “cai cai”. “Fiz uma defesa e o Ênio Andrade (técnico) pediu que não me levantasse. Estávamos com dois a menos, mas o lance foi impedimento e o assistente não marcou”, justificou o arqueiro. “Você não convida seu maior inimigo para uma festa na sua casa”, complementou.

Para a partida do fim de semana, o ídolo alviverde diz que é um divisor de águas para o Coxa. “(O Coritiba) precisa ganhar. Em termos de tabela o Atlético não corre risco, mas o Coritiba sim. Eu já joguei Série B e sei o quanto é difícil. Meio a zero está bom”, finalizou.

Ficha da partida Atlético 1 x 0 Coritiba 27/11/1985

Coritiba: Rafael, Marildo, Gomes, Heraldo e Vavá; Almir, Marco Aurélio e Toby; Gil, Índio e Edson. Técnico: Ênio Andrade.

Atlético: Marolla, Sotter, Beto, Nenê e Sérgio Moura; Detti, Dicão e Cristóvão; Camargo, Agnaldo e Nivaldo. Técnico: Otacílio Gonçalves.