João de Noronha / O Estado do Paraná
Os primeiros torcedores chegaram ontem,
com direito a sofá e muita “alegria”.

O Atlético começa a vender hoje os ingressos para a partida de domingo contra o Flamengo, tentando cumprir à risca o Estatuto do Torcedor. A tendência até o final do Campeonato Brasileiro é de casa cheia em todas as partidas, mas nem todos os direitos da torcida podem ser garantidos no melhor estádio do País. Confusão pelas cadeiras numeradas e aglomeração nos locais de acesso às arquibancadas ainda acontecem na Arena.

Nas reclamações encaminhadas à Tribuna, a principal delas se dá sobre a escolha do local para se assistir à partida. Alguns torcedores seguem a orientação do clube na compra dos ingressos, mas não são atendidos quando chegam ao local das cadeiras. Encontram outra pessoa sentada naquele que seria o local constante do bilhete, não conseguem um acordo para usar o assento, nem apoio dos seguranças ou dos policiais militares, e têm que procurar outro local para sentar ou ficar em pé.

De acordo com o clube, o problema é conseguir mudar a cultura do torcedor brasileiro. “Tentamos exigir que as pessoas sentassem nas cadeiras. Havia um problema grave das pessoas que não adotavam a cadeira e outras que queriam porque queriam, mas a maioria não atendia e a gente tinha dificuldades”, explica Toni Casagrande, diretor de comunicação do Rubro-Negro.

Dessa forma, ele diz que a decisão dos dirigentes foi de usar o “bom senso” e exigir apenas que as pessoas fiquem no setor marcado no ingresso. “Criava-se um conflito ao exigir que a pessoa deixasse o lugar de outra. Se nós usarmos a força no meio da torcida, ela vai se voltar contra nós”, pondera o dirigente. Segundo ele, essas confusões só acontecem no setor de ingresso a R$ 15,00. “No setor de R$ 30,00 e 60,00, o Atlético garante que as pessoas vão usar o lugar escolhido”, diz.

Para Casagrande, a tendência é de que os torcedores se acostumem com a nova forma de assistir aos jogos na Arena aos poucos. “O que nós temos feito é trabalhar para informar o torcedor. Sem contar a PM, quase 200 seguranças trabalham nos jogos, mas ainda não é possível atender a todos.” Mesmo assim, algumas medidas estão sendo tomadas para evitar a aglomeração de pessoas nas escadas e nas entradas para a arquibancada. “No anel inferior, instalamos um portão redutor nas ?bocas? para diminuir o número de pessoas no local”, aponta.

Ainda assim, quem se sentir prejudicado pelo serviço recebido no estádio pode procurar o ouvidor do clube, na própria Arena, ou levar a questão até o Procon para exigir o cumprimento dos direitos do torcedor.

A fila para compra de ingresso começou a se formar as 21h de ontem à noite.

Rogério Correia não enfrenta o Flamengo

O técnico Levir Culpi, do Atlético, ganhou mais um problema para escalar a equipe para a partida contra o Flamengo, às 16 horas de domingo, na Arena. Depois de perder o zagueiro Marcão, o volante Alan Bahia e o meia William, todos por suspensão, agora o zagueiro Rogério Correia, que voltava de um gancho pelo terceiro cartão amarelo, sentiu uma contusão na coxa direita e também está fora da partida. Com tantos desfalques, o treinador apela mais uma vez para o mistério e não vai deixar a imprensa assistir o primeiro trabalho de conjunto da equipe, na semana.

Logo após o treinamento da manhã, apenas físico, Rogério sentiu a coxa esquerda. Após os exames do departamento médico, foi constatada uma contratura que deve afastá-lo dos gramados por um período de dez a 14 dias. Assim, ele deverá ficar de fora das partidas contra o Flamengo, Vitória e Atlético/MG.

Sem ele, as opções para a zaga são Ígor e Alessandro Lopes, com maior probabilidade para o primeiro. Os outros zagueiros seriam Marinho e Fabiano, que volta de suspensão. A outra lacuna a ser preenchida por Levir está na meia-cancha. Como Fabiano vai atuar de zagueiro e Alan Bahia e William estão suspensos, Bruno Lança deverá ser adiantado para o meio ao lado de Pingo, que ganharia nova oportunidade como titular.

Tudo isso deverá ser testado nos trabalhos em conjunto de hoje e amanhã. Ontem, o treinador comandou apenas treinos de ataque contra defesa e deixou algumas pistas da equipe que poderá enfrentar os cariocas. Mesmo assim, a imprensa só poderá ter acesso ao técnico e aos jogadores após os treinamentos da tarde, como sempre acontece com Levir. Desta vez, pelo menos, o treinador avisou os jornalistas com antecedência.