A camisa 1 é uma das mais importante do jogo e, por essa razão, deve ser vestida por um atleta experiente, bastante rodado, para passar tranquilidade aos demais companheiros. Grandes clubes do futebol nacional seguem esta teoria.

O São Paulo com Rogério Ceni, 37 anos; Palmeiras com Marcos, 36; Internacional com o argentino Pato Abbondanzieri, 38; e assim por diante. Inclusive o rival e adversário do Furacão também adota tal postura.

O Coritiba terá em sua meta Édson Bastos, 30 anos, considerado por muitos o melhor arqueiro do Estado e atualmente o jogador alviverde com mais experiência em Atletibas.

Mas essa prática não é adotada no Atlético, que acredita no potencial de sua nova geração. No domingo, um garoto de apenas 20 anos defenderá o gol rubro-negro, fazendo sua estreia no maior clássico do Estado. Aliás, o Furacão não dispõe em seu elenco de goleiros experientes. São todos jovens: Luiz Carlos, 21 anos, Renan, 22 e Santos 19.

Presença

Mineiro de Araxá, Neto não é apenas uma aposta. Ele tem o respaldo e confiança de todos na comissão técnica. O treinador de goleiros, Marco Aurélio Tedeschi, afirma que seu atleta deixou de ser uma promessa para se tornar realidade. Para ele, Neto, embora muito jovem, “ tem personalidade forte, é extremamente técnico e tem boa saída de bola em jogadas alçadas”.

A torcida também tem o jovem como xodó, principalmente por ele ser cria da base. Inclusive o goleiro tem uma história curiosa dentro do próprio Furacão. Chegou ao clube no infantil, media apenas 1,69m de altura, e muitos técnicos acreditavam que ele não serviria para a posição.

“Levamos o garoto ao departamento de fisiologia e investimos. Hoje colhemos os frutos desse investimento”, fala orgulhoso Tedeschi, que acompanhou os passos do arqueiro em todas as categorias. Hoje, Neto mede 1,91m.

Clássico

O camisa 1 rubro-negro destaca a tranquilidade como uma de suas virtudes. Porém confessa que a ansiedade é maior para a disputa do clássico. “A ansiedade é normal para qualquer jogo. Mas um clássico como este é especial. A torcida espera muito por esse confronto, onde se decide muita coisa. A cabeça tem que estar tranquila. Tenho que estar concentrado e ajudar os meus companheiros para sairmos com a vitória”, analisou.

Sobre a pouca experiência, já que assumiu a titularidade somente no início do Estadual, Neto prefere não dar tanta relevância já que está rodeado de companheiros acostumados com clássicos.

“É importante conversar com os jogadores mais experientes, que já passaram por este momento. Mas não podemos tratar o Atletiba como um bicho de sete cabeças. Temos que encarar como um jogo especial, mas sabendo que a nossa responsabilidade é a de ganhar como em outros jogos”, concluiu o goleiro.

Concentração é a arma

Crendice ou superstições não acompanham a carreira de Neto. Ele crê em sua concentração como principal arma. Antes dos jogos, no vestiário, costuma se afastar dos companheiros para ficar só, mentalizando os possíveis acontecimentos da partida para, caso ocorram, saber como agir. E quando ainda está na concentração, fica andando sozinho pelos campos do CT do Caju para se tranquilizar e focar no desafio que vem pela frente. A reza é algo comum para todo o grupo, como relata. “Fazemos orações antes do jogo e participa a equipe inteira”.

O goleiro virou titular do Atlético com a transferência de Galatto para o futebol europeu. Antes havia feito apenas uma partida como profissional no Brasileirão 2009. Em 12 jogos nesta temporada conheceu apenas uma derrota e sofreu 6 gols. Integra a defesa menos vazada da competição.

Mas a boa performance do sistema defensivo ainda não é suficiente para o promisso,r arqueiro. Ele acredita que tem muito mais qualidades para mostrar no decorrer dos jogos. “As coisas estão acontecendo no tempo certo. A minha cabeça está boa e acredito que estou amadurecendo a cada dia. Quero evoluir ainda mais na parte técnica e psicológica. Espero muito mais de mim, já que tenho uma autocrítica forte e me cobro muito”, finalizou.

Além de Neto, outros três jogadores considerados titulares deverão estrear em Atletibas pelo Furacão: o lateral Gerônimo e os atacantes Bruno Mineiro e Pepe Toledo.