Preto foi apresentado ontem
na Arena e vem com a missão
de começar o Nacional como titular.

Os volantes Preto e Douglas são os novos contratados do Atlético. Os dois foram anunciados ontem pela diretoria, que promete não parar por aí. Mais reforços deverão chegar para o Brasileirão e um meia armador passa a ser a prioridade para suprir a ausência de Kléberson, que está virtualmente vendido. Os novatos já devem começar a treinar hoje, na parte da tarde.

“É uma reposição praticamente, porque o Donizete Amorim nós estamos negociando e o Flávio Luís nós devolvemos ao Palmeiras, já que ele não se adaptou e quis voltar à sua casa”, explicou o presidente Mário Celso Petraglia. De acordo com ele, apesar de o clube ter subido Alan, dos juniores, ele ainda não tem a experiência necessária para ser titular no Brasileirão. “Ele é uma grande promessa, mas você não pode jogar a responsabilidade de defender o título nas costas de meninos que estão subindo. Por isso, o Atlético vai reforçar a partir do momento que for perdendo seus jogadores”, continuou.

Já as renovações de contrato do zagueiro Gustavo e do volante Cocito, Petraglia não quis se aprofundar no tema. “Está tudo como dantes no quartel de Abrantes”, filosofou. Com a chegada de Preto e Douglas, especulou-se que Cocito poderia deixar o clube. “Não é nada disso. O campeonato é longo e nós vamos precisar de reposição. Uma coisa não tem nada a ver com a outra”, explica o diretor-técnico Antônio Carlos Gomes.

Pimentinha

O paranaense Preto pela primeira vez vai jogar em seu estado. Filho de Darci Casagrande, o Tchê, ex-presidente do Cascavel nos bons tempos, o volante concretiza um velho sonho dos dirigentes atleticanos. Pegador e técnico como só ele, Preto vem para ser titular do time. “É uma responsabilidade grande vir para um clube como o Atlético que é um dos maiores do Brasil, tem uma estrutura enorme e é um desafio novo para mim que estava há muito tempo no Nordeste. Até recusei umas propostas melhores devido ao clube dar condições de trabalho excelentes”, fala o jogador.

Preto tem metade de seus direitos federativos ligados ao Vitória de Guimarães de Portugal. A outra metade é dele mesmo, que renegociou algumas dívidas para acertar pendências, principalmente com o Bahia. O também volante Douglas vem emprestado pelo São Paulo. O Botafogo-RJ estava tentando negociar, mas a diretoria agiu rápido e conseguiu ficar com o atleta, que se destacou no Campeonato Paulista do ano passado. Os dois ficam na Baixada até o final do ano.

Campeões “enfaixados”

O grito de “Geninho, Geninho” pôde ser ouvido ontem novamente na Arena. Era a festa pela entrega das faixas de campeão brasileiro, tricampeão paranaense e mais uma homenagem ao pentacampeão Kléberson. Mas a torcida não deixou escapar a oportunidade de agradecer mais uma vez ao treinador pela inédita estrela conquistada. Além dele, a torcida também vibrou com o reencontro com Nem, Luisinho Netto, Marcus Coelho, Valmor Zimmermann, Samir Haidar, Antônio Carletto e tantos outros atleticanos que ajudaram o clube a alcançar seu maior título.

“Só posso dizer que me sinto lisonjeado. Saí daqui de bem com eles (Os Fanáticos) e já posso dizer que sou um pouco atleticano. Espero um dia voltar”, disse Geninho emocionado com a recepção. Nas arquibancadas, várias faixas pediam esse retorno para o mais breve possível. Da mesma forma, o presidente campeão, Marcus Coelho, também pôde comemorar plenamente a conquista com sua faixa no peito. “São tradições (a de entrega das fixas) que não devem morrer. Todo torcedor gosta dessa festa”, apontou.

Do elenco vencedor do ano passado, apenas Adauto (que foi contratado pelo Slavia Praga e está na República Tcheca) e Sousa (que não foi localizado) não compareceram. O capitão do time no Brasileirão de 2001, Nem (atualmente no Atlético-MG), era um dos mais felizes. Puxou o cordão dos campeões e não poupou energia. “É campeão, é campeão”, gritou para os companheiros.

Além da faixa pelo título nacional, os tricampeões paranaenses também receberam a sua homenagem além de mais uma honraria especial para Kléberson pelo pentacampeonato.

Convocação de Kléberson pode ajudar na venda

O meia Kléberson continua na crista da onda. Hoje, o técnico da seleção brasileira Luiz Felipe Scolari faz a convocação no Rio de Janeiro para a partida contra o Paraguai e a única novidade será a convocação do meia Émerson, que não disputou a Copa do Mundo devido a uma contusão na clavícula. Os outros relacionados serão todos os 23 campeões mundiais, incluindo o meia atleticano. O amistoso está marcado para o dia 21 em Fortaleza.

O cartaz do Xaropinho com o treinador é tão grande que Felipão já declarou que quer moldar a seleção para a Copa 2006 em torno do jogador do Rubro-Negro. “O Kléberson é um dos melhores jogadores de futebol do Brasil e meus planos são de formar um time em torno dele para defender o título mundial de 2006”, declarou o técnico a jornais ingleses. Se entrar como titular diante dos paraguaios (o que é bem provável), Xaropinho fará a sua primeira partida oficial após a final da Copa no Japão.

No Atlético, o meia não joga mais. Apesar da diretoria dizer que está fazendo um seguro para pô-lo em campo, Kléberson só aguarda uma negociação para deixar a Baixada. De acordo com o presidente Mário Celso Petraglia, não há nenhuma negociação em andamento. “Vocês precisam aprender que o Atlético só divulga um fato após a concretização do mesmo”, disse aos jornalistas presentes ontem na Arena para a festa da entrega das faixas.

Os comentários mais quentes sobre uma possível negociação davam conta de que o jogador poderia ir para o Leeds United ou o Villarreal. O clube espanhol comprou o volante Marcos Senna do Corinthians (que estava no São Caetano) e o clube inglês já demonstra interesse em Ricardinho, também do Corinthians. A tática da direção atleticana parece ser a de esperar o tempo se esgotar para os europeus oferecem propostas melhores. O prazo final de inscrição de jogadores termina no dia 31 deste mês.