O Atlético vai apresentar hoje a seus conselheiros o acordo assinado com o governo do Estado e a prefeitura de Curitiba para a conclusão da Arena da Baixada para a Copa do Mundo de 2014. O arquiteto Carlos Arcos também apresentará uma versão atualizada do projeto do estádio.

A reunião extraordinária do Conselho Deliberativo está marcada para as 19h, no quarto andar da Arena. Apenas os conselheiros do clube terão acesso ao encontro, que vai explicar detalhes de como funcionará a cessão de títulos de potencial construtivo pela prefeitura ao Atlético.

Segundo o presidente do conselho, Gláucio Geara, o projeto apresentado é praticamente o mesmo que foi enviado à Fifa em 2009, antes da escolha das cidades-sedes da Copa.

“Existem alterações mínimas. Apenas pequenos ajustes técnicos. Temos que seguir as normas da Fifa e não é possível grandes mudanças”, diz o dirigente rubro-negro.

Além da construção do setor que falta para “fechar” o estádio, a estrutura atual passará por uma grande reforma. “Será necessária a mudança de algumas colunas, para a troca de toda a cobertura”, confirma Geara. Ainda haverá mudanças no local dos vestiários, cabines de imprensa, lanchonetes e áreas de acesso e saída da Arena.

Os conselheiros também serão informados sobre como será feita a contratação da construtora que ficará responsável pelas obras. O Atlético optou por fazer a escolha através de uma licitação. O edital com as exigências e prazos estabelecidos pelo clube deve ser publicado até dezembro.

A expectativa é que as obras comecem ainda no primeiro trimestre de 2011. Tudo deve estar pronto até o final do ano seguinte, a tempo do estádio receber jogos da Copa das Confederações, em 2013.

Após recesso, deputados prometem liberar verba rapidinho

A Copa do Mundo de 2014 será um dos primeiros assuntos debatidos na Assembleia Legislativa após o recesso para as eleições. Na próxima segunda-feira, os deputados estaduais voltam ao trabalho e começam a analisar o projeto de lei que autoriza o Fundo de Desenvolvimento Econômico (FDE) a financiar projetos de infraestrutura relacionados ao mundial de futebol.

O uso do FDE é um dos pontos-chaves do acordo firmado entre governo do Estado, prefeitura de Curitiba e Atlético Paranaense para a conclusão da Arena da Baixada, de acordo com as exigências da Fifa.

O fundo pode abrir uma linha de crédito para a construtora que será contratada para a execução das obras, tendo como garantia os R$ 90 milhões em títulos de potencial construtivo que serão cedidos pelo município ao clube.

Além de autorizar o FDE a conceder apoio financeiro à obra e aceitar os títulos como garantia, o projeto de lei estabelece os encargos do financiamento: taxas de juro ao longo prazo de no máximo 9% ao ano; multa moratória de 2% em caso de atraso e juros de mora de 12% ao ano. O prazo máximo para pagamento será de 20 anos.

O documento prevê ainda a criação do Comitê de Gestão e Acompanhamento das Ações do FDE, que ficará responsável pela fiscalização dos recursos aplicados. A composição do comitê ainda será definida em ato específico.

Segundo a lei proposta, seus integrantes não receberão remuneração. A mensagem encaminhada pelo governador Orlando Pessuti será avaliada primeiro pelas comissões de Constituição e Justiça e de Finanças.