Fernandinho tinha a responsabilidade de criar, mas, sem colaboração, pouco pôde fazer.

Era para ser o jogo da afirmação do Atlético na Copa Libertadores, mas todo o planejamento extra-campo, as investigações sobre o adversário e armação técnica acabaram sucumbindo ao excesso de erros individuais. Jogando mal, o Rubro-Negro perdeu para o América por 3 a 1, perdeu também a invencibilidade na competição, mas manteve a segunda colocação no grupo 2. O próximo compromisso pelo torneio internacional será o próprio Diabo Vermelho, dia 14 de abril, na Arena.

Apesar de enfrentar o líder da chave, o Atlético tinha tudo para ser o primeiro time brasileiro a vencer fora de casa nesta competição. A partida estava fácil, os colombianos mostraram muito respeito ao Rubro-Negro e esperaram o time de Casemiro Mior. Com muitos desfalques na zaga, os chutões foram a arma americana para encarar o Furacão. E deu certo. Errando muito, a equipe rubro-negra aceitou a pressão e passou a ser caça em vez de caçador.

Primeiro foi Cocito, que perdeu uma bola na intermediária e deixou a defesa desguarnecida. Diego teve que se aventurar nos pés de Salazar para salvar a pátria. Nem os chutes de Fernandinho e Marín ameaçaram a meta de Viafara. O domínio de bola não foi traduzido em lances de perigo e o América passou a pressionar cada vez mais.

A pressão levou a erros bobos. Alan Bahia deu passe errado e propiciou contra-ataque que gerou a falta no primeiro gol. Para evitar o pior, Jancarlos foi obrigado a cometer a infração. Após a cobrança, Salazar ajeitou de cabeça para Mina Polo só completar na pequena área. Nem deu para respirar e o América armou novo ataque trabalhado para Salazar ampliar.

O segundo tempo começou com um novo alento para o time de Mior. Marín cobrou falta com maestria no ângulo e reanimou o Atlético. Mesmo assim, os erros continuaram. O time se perdeu em campo e Diego teve que fazer das tripas coração para evitar um placar mais elástico. Não demorou muito para que a blitz rubra voltasse a atacar. Elías cruzou da direita, Ferreira tentou de cabeça, esbarrou em Diego, mas na volta não teve jeito e o craque do time colombiano estufou a rede.

O técnico Casemiro Mior tentou mudar a situação com Aloísio e Fabrício, mas mesmo os chutes potentes do meia não foram suficientes para mudar a história da partida. Esta foi a segunda derrota para o América em três confrontos. O Rubro-Negro tem apenas um empate contra os Diabos Vermelhos.

Fifa suspende e multa o atacante Dênis Marques

Por enquanto, acabou a brincadeira para o atacante Dênis Marques. O voluntarioso avante atleticano, desde ontem, vive o drama de estar fora do campeonato brasileiro deste ano. Pelo menos esta foi a decisão divulgada ontem pela Fifa, que notificou o advogado Marcus Motta, contratado pelo Kuwait Sporting Club, que o atacante terá de cumprir suspensão de quatro meses, pagar uma multa de US$ 600 mil, por ter abandonado o clube do Oriente Médio, e a devolver ainda os US$ 100 mil que pegou adiantado (total: US$ 700 mil).

Pior ainda para o Atlético. Caso Dênis não efetue o depósito no prazo de 30 dias, a Fifa colocou o clube na condição de réu solidário, e a grana vai sair dos cofres do rubro-negro paranaense.

Ontem mesmo, o advogado de Dênis Marques no caso, Augusto Mafuz, manteve uma reunião com o coordenador jurídico do Atlético, Marcos Malucelli, para definir a estratégia jurídica a ser utilizada para o recurso, para tentar livrar o atacante da suspensão, além da pesada multa.

Curiosamente, a suspensão só é válida para o torneio nacional. A Fifa liberou o atleta para continuar defendendo o rubro-negro no campeonato paranaense e na Copa Libertadores da América.