Um dos clubes brasileiros que mais contrataram durante o recesso do futebol para a Copa do Mundo – foram 10 jogadores -, o Atlético agora entrou na temporada de enxugar o elenco.

Os jogadores que não serão aproveitados pelo técnico Paulo César Carpegiani, daqui para frente, começam a tomar novos rumos. Serão negociados, emprestados ou encaixados em outros clubes. O grupo atualmente conta com 35 jogadores e a intenção do Rubro-Negro é esvaziar a prateleira.

Ontem foi a vez do meia-atacante Tartá deixar o Atlético. Ele foi devolvido ao Fluminense. O jogador atuou 24 vezes com a camisa rubro-negra e marcou dois gols.

Porém, não empolgou os três treinadores que passaram pelo clube este ano: Antônio Lopes, Leandro Niehues e Paulo César Carpegiani. Outro que deixou o Atlético foi Patrick.

O atacante vai atuar no Onduspor (Turquia). O volante Alan Bahia também foi para o exterior. Embarcou para o Catar, onde realizará exames médicos em seu novo clube: o Al Khor.

Caso aprovado, o empréstimo se concretiza. Será a segunda vez que Alan vai jogar fora do País. A primeira experiência aconteceu no ano passado, quando defendeu o Vissel Kobe (Japão).

Durante a intertemporada, já haviam deixado o Atlético o colombiano Valencia, que se transferiu pra o Fluminense; o lateral Lisa, que foi para o ABC (Natal) e o atacante Javier Toledo, que rescindiu contrato.

Para o gerente de futebol Ocimar Bolicenho, o Atlético utilizou bem a paralisação do Campeonato Brasileiro. “Aproveitamos bem o recesso e cumprimos o objetivo de renovar o elenco e dar mais capacidade técnica para que consigamos nossos objetivos dentro da competição. O que o treinador pediu, a diretoria atendeu. Agora é esperar que as contratações dêem o resultado técnico esperado”, finalizou o dirigente.