O dia seguinte ao clássico
mostrou um astral diferente no “Caju”.

O primeiro passo da nova vida do Atlético no campeonato brasileiro de 2003 já foi dado. A vitória sobre o Paraná Clube, sob o comando de Mário Sérgio, tirou o time do limbo e deu um sopro de vida para uma equipe que não vinha se encontrando mais dentro dos jogos e estava caindo pelas tabelas. Agora, o segundo passo será a realização de uma intertemporada na serra gaúcha para que a nova comissão técnica e os jogadores possam se conhecer melhor e traçar o planejamento de trabalho para o restante da temporada.

Serão dois jogos fora de casa com a preparação toda ela feita no Rio Grande do Sul. Hoje pela manhã, a delegação atleticana embarca em direção a Porto Alegre e treina no período da tarde no CT do Internacional. Amanhã, repete a dose para enfrentar o Grêmio, domingo, no Olímpico. Logo após a partida contra o tricolor gaúcho, o grupo segue para Canela, próxima de Caxias do Sul, e fica até o sábado seguinte treinando para enfrentar o Atlético Mineiro, no Mineirão. Só em seguida, volta para Curitiba.

Apesar de a idéia ter sido tratada pela diretoria com a comissão técnica antiga, os novos comandantes resolveram manter o planejamento. “Em toda chegada a um clube, você primeiro tem que sondar o que está acontecendo para avaliar. Como já estava planejado, o Mário achou por bem dar seqüência”, aponta à Tribuna o auxiliar técnico Eudes Pedro. De acordo com ele, será levado um grupo limitado porque o elenco é muito grande e impede um trabalho mais adequado. “A partir dessa limitação e integração, você dá uma qualidade boa de trabalho, a gente conhece melhor os atletas, além de eles poderem trabalhar, descansar e recuperar todos juntos”, destaca.

Isolados e fora do agito de Curitiba, os jogadores terão a possibilidade de se integrar mais e estão gostando da idéia. “Alguns jogadores já conhecem o Mário, sabem de sua capacidade de trabalho e ele vai tentar implantar o seu ritmo, a sua parte tática e técnica e temos que trabalhar a parte física para que possamos dar a volta por cima”, analisa o atacante Alex Mineiro. Para o lateral-direito Alessandro, o foco nos treinamentos num local isolado deverá fortalecer o grupo. “Teremos uma semana para nos conhecermos mais e deveremos ter uma boa semana lá e espero que possamos trazer os seis pontos”, diz.

Lotado

A saída do Centro de Treinamento Alfredo Gotardi (CT do Caju) também mostra a necessidade de ampliação de suas instalações, que não conseguem mais comportar o trabalho diário do time principal com o intercâmbio de atletas estrangeiros. Lotado de americanos e de coreanos, principalmente, o Rubro-Negro já vinha se concentrando em hotéis do centro de Curitiba.

Receita da galera para vencer fora

O técnico Mário Sérgio, do Atlético, perdeu a voz antes da partida contra o Paraná Clube, em compensação, acredita ter encontrado o rumo que o time precisava para voltar a satisfazer a exigente torcida rubro-negra. O caminho ideal, segundo o treinador, é o da garra e da luta e com essas armas o Furacão promete partir para a primeira vitória fora de casa no domingo, contra o Grêmio, no Olímpico. A única dúvida é a do zagueiro Juliano, que se machucou contra o Tricolor e ainda não está confirmado.

“A torcida mostrou para a gente o caminho e se nós não seguirmos é porque somos burros. O caminho é o da luta, da garra. A torcida não quer jogadas de efeito, ele não quer nada, ela só quer que a gente mostre que quer ganhar”, analisou Mário Sérgio, ontem, ainda bastante rouco. Para isso, o técnico gastou o tempo que tinha falando e acabou gastando toda a voz. “Como eu não tinha tempo de trabalhar no campo, tive que fazer umas três palestras e vimos o jogo contra o Vasco. Assistimos à partida do Paraná e passei para os jogadores das bolas paradas, como acontecia e quem entrava aonde e nós tivemos a facilidade de marcar graças ao trabalho do Oscar (Erichsen, assessor científico)”, revelou.

Time

Apesar da vitória sobre o Paraná e por se tratar de Mário Sérgio, a escalação oficial só deverá sair momentos antes da partida contra o Grêmio. As dúvidas ficam em torno da recuperação do lateral-direito Alessandro e do volante Douglas Silva, que não atuaram na quarta-feira, e do zagueiro Juliano, que sentiu uma dor no joelho esquerdo e também depende do treino de hoje para saber se poderá enfrentar os gaúchos. O provável time atleticano deverá ficar com Diego; Ígor, Rogério Correia e Juliano (Tiago); Alessandro (Rodriguinho), Douglas Silva (Alan Bahia), Luciano Santos, Adriano e Ivan; Ilan e Alex Mineiro.