O Atlético embarca na sexta-feira para intertemporada de uma semana em Monte Sião/MG na parada do campeonato brasileiro para os jogos da seleção pelas eliminatórias da Copa do Mundo. O clube irá utilizar as instalações do centro de treinamento do ex-zagueiro Oscar Bernardi. A idéia é tirar o elenco rubro-negro do agito do CT do Caju, dar mais tranqüilidade, concentração aos jogadores e fazer mais ajustes na equipe para a seqüência do nacional.

“Eu conheço e já estive lá desde o início do CT do Oscar, realmente tem uma condição de primeiro mundo, ele trouxe as idéias lá do Japão e estudamos essa possibilidade”, disse o técnico Levir Culpi. Segundo ele, as instalações do ex-zagueiro oferecem condições parecidas com a do CT do Caju.

O maior problema para o Furacão ficar no CT do Caju para a realização de uma intertemporada é o atual movimento de jogadores em intercâmbio e das obras de ampliação. As atuais instalações do hotel estão saturadas e a construção de um novo está sendo feita ao lado do atual. Três novos campos de futebol também já foram iniciados. Por tudo isso, o técnico Levir Culpi preferiu tirar a equipe da cidade e foi buscar um local mais sossegado para a integração dos jogadores com a nova comissão técnica.

“De certa maneira incomoda ficar aqui porque tem muito movimento, tira um pouco a atenção e tira um pouco a concentração e por isso a saída de, pelo menos, uma semana, para estarmos juntos mais concentrados??, explicou. Para ele, o mais importante para os jogadores é mentalizar os objetivos a serem alcançados. “Muita gente rondando o centro de treinamento pode tirar a concentração”, apontou.

Além de um centro de treinamento altamente equipado, as instalações também possuem um hotel cinco estrelas, que também irá abrigar a delegação atleticana. De Monte Sião, que fica no sul de Minas Gerais e na divisa com São Paulo, a delegação parte direto para Volta Redonda onde volta a jogar pelo nacional contra o Flamengo. Para esta partida, o treinador já deverá contar com o meia Fernandinho, que está com a seleção brasileira sub-20 disputando o Torneio de Toulon.

Amistoso para avaliar os dois times

Enquanto partida de futebol, não foi nada daquilo, mas o Atlético deverá colher frutos do jogo-treino realizado ontem, contra o Necaxa. Utilizando uma equipe formada por reservas e jogadores em disponibilidade, o Rubro-Negro conseguiu apenas um empate por 1 a 1 diante dos mexicanos. No entanto, deverá negociar o meia Marcelinho e o zagueiro Daniel com eles, além de ter mostrado outros jogadores para diversos empresários, que foram na tarde de ontem acompanhar a partida no CT do Caju.

“Nós fizemos um acordo com o América/RN para liberar o Marcelinho para esta partida e ele veio disputar o jogo. Ele tem proposta do próprio Necaxa e também de outra equipe do México”, revelou Alberto Maculan, diretor de futebol do Atlético. Segundo ele, já estava previsto, inclusive, a participação do meia pelo time do México. “O Daniel também foi observado e deve ser negociado também”, completou.

No time atleticano, dirigido pelo auxiliar técnico Cleocir Santos, a formação inicial entrou com Cléber; André Luís, Daniel, Ígor e Ivan; Vânderson, Pingo, Fabrício e Marcelinho; Rena e Ricardinho. Além dos dois mais observados, os destaques foram o meia Fabrício, criador da maior parte das jogadas de ataque, e o volante Ticão, que entrou na segunda etapa. Ainda entraram o zagueiro Alessandro Lopes, o lateral-esquerdo Symen, o meia Alejandro e o atacante Paulo Santos.

O gol rubro-negro foi marcado por Symen, jogador holandês, que passa por um período de adaptação no CT do Caju. O empate saiu depois de uma bola mal atrasada de Ígor para Cléber. Faltou comunicação e o toque de cabeça foi parar no fundo das redes.

O Necaxa está fazendo uma excursão pela América Latina para testar o atual elenco e avaliar quem pode ficar e quem deve sair. Alguns jogadores estão em testes e a tendência é haver muitas contratações para a próxima temporada.