Fábio Alexandre
Alex Mineirou marcou o segundo gol para o Atlético.

O Atlético fez história ontem em São Paulo. Pela primeira vez, o time rubro-negro conseguiu vencer o Palmeiras (2 a 0), jogando na casa do adversário, e quebrou mais um incômodo tabu.

A surpreendente escalação de Antônio Lopes – que costuma adequar a sua equipe a cada adversário – fez jus à surpreendente campanha do Furacão jogando longe da Arena. Em três jogos, foram duas vitórias (Figueirense e Palmeiras) e um empate (Atlético Mineiro). Com o resultado, o Atlético subiu na tabela e afundou o Palmeiras em crise. Se no 1.º tempo o jogo foi equilibrado, na etapa final o time paranaense sobrou em campo e poderia ter aplicado uma goleada no adversário, que estava nocauteado em pé.

O estilo do Delegado, com muita marcação, foi o grande diferencial na partida. O Atlético fechou-se bem, com duas linhas de quatro jogadores, e não deu espaço para o Palmeiras chegar ao gol. Bem armado defensivamente, o Furacão armou a arapuca e o Verdão caiu. Em contra-ataques rápidos, o Rubro-Negro definiu a partida, marcando dois gols, além de desperdiçar boas chances. Edmundo e Michael, os principais jogadores do Palmeiras, foram bem anulados e pouco conseguiram criar, tanto que foram substituídos na etapa final.

Jogo

No 1.º tempo, as duas equipes marcaram muito e insistiram em jogar pelo meio, o que deixou o jogo um pouco insosso, sem jogadas de perigo. A primeira boa oportunidade de gol foi do Palmeiras aos 24 minutos. O lateral-direito Paulo Sérgio fez boa jogada e soltou uma bomba, obrigando Guilherme a espalmar para escanteio. Na cobrança, o zagueiro Nen subiu mais que a zaga atleticana e cabeceou. A bola carimbou o travessão rubro-negro.

O Verdão esboçou uma pressão, mas parou nas boas defesas de Guilherme, que teve uma destacada atuação. Aos 34, o Atlético acertou seu primeiro contra-ataque e com muita velocidade fez o gol. Edno tocou para Alan Bahia no meio, que passou para Alex Mineiro. O atacante tocou de primeira e deixou Edno na cara do goleiro palmeirense. O meia-campista teve a calma para driblar Diego e fazer seu primeiro gol com a camisa atleticana. A chance de empate apareceu aos 41, mas Guilherme fez a defesa mais importante da partida, num chute de Max.

No intervalo, Caio Júnior desfez o sistema com três zagueiros, fez substituições e tentou ir pra cima do Atlético. Mas a postura defensiva do Furacão continuou muito boa e segurou o ímpeto palmeirense.

Aos 15 minutos, o Atlético definiu o jogo. Após uma disputa de cabeça, a bola sobrou para Alex Mineiro.

O artilheiro se livrou do zagueiro Nem e, com muita calma e categoria, tocou por cima do goleiro palmeirense – 2 a 0. A partir do gol, o Palmeiras desabou. Precisando do resultado, o time paulista tentou criar algum perigo à meta atleticana, mas não conseguiu. Novas alterações foram feitas por Caio Júnior, mas faltou qualidade. Enquanto isso, o Atlético desfilou em campo e criou chances para ampliar o placar. Denis Marques e Alex Mineiro perderam oportunidades carimbando a trave do Verdão. No final do jogo, o astro rubro-negro ainda marcou mais um gol, mas estava impedido.

Com a vitória em São Paulo, o Atlético ganha força para enfrentar o também embalado Paraná no próximo sábado.

Já o Palmeiras pode complicar ainda mais a sua decadente situação. Há dúvidas sobre a condição de jogo do atacante Max, que fez sua estréia no Verdão, ontem. Caso esteja em condição irregular, o Palmeiras pode perder seis pontos.

Vitória dá novo ânimo

Nada como uma boa atuação e três pontos conquistados para recuperar a auto-estima. Os jogadores atleticanos foram unânimes em apontar que o time melhorou com a postura adotada pelo ?professor Lopes?, que prima pela marcação. O artilheiro Alex Mineiro contou que a equipe colocou em prática o que o técnico pediu. ?O objetivo foi alcançado. Jogamos fechado para sair no contra-ataque. Estou feliz, mas sabemos que temos muito o que corrigir?, falou sobre a vitória. O lateral Michel, uma das surpresas de Lopes no jogo, destacou que o time foi solidário, aplicando uma forte marcação e saindo rápido.

Um dos responsáveis pela vitória do Furacão, o goleiro Guilherme, creditou o sucesso a seus companheiros, mas admitiu que a defesa feita por ele, no final do 1.º tempo, foi decisiva. ?Estou feliz. Fiz um bom jogo e conseguimos um bom resultado?, falou.

Troco

Vaiado pela torcida palmeirense, por não ter acertado sua transferência para o time paulista, Alex Mineiro deu a resposta em campo, com uma boa apresentação e com o gol anotado. ?Estou com a consciência tranqüila pela escolha que fiz (Atlético).

Não me arrependo?, comentou o ídolo rubro-negro.

Demolição do colégio segue sem estardalhaço

Aos poucos o trabalho de demolição do colégio Expoente está transcorrendo sem alarde para o público. Parte das estruturas foram destruídas e, assim, ganha força o desejo do atleticano em ver as obras de conclusão da Arena iniciadas. De acordo com o presidente João Fleury, que acompanhou a delegação a São Paulo, em julho será realizado um megaevento para a apresentação do projeto do estádio rubro-negro finalizado. Segundo ele, o clube está na fase de conversações com autoridades municipais e do governo estadual para que eles se integrem ao projeto atleticano e possam interagir pois, para que a Arena seja concluída e fique apta para abrigar jogos da Copa do Mundo, é necessário um trabalho conjunto entre governo e o clube. ?Trazer jogos da Copa do Mundo para Curitiba é um orgulho para todos os paranaenses, não somente para os atleticanos?, finalizou Fluery.

Antônio Lopes enche a bola do colombiano Valencia

A aplicação tática e a maneira como conseguiu os três pontos diante do Palmeiras foram muito elogiadas pelo técnico Antônio Lopes, que obteve a sua primeira vitória no comando do time. ?Estou satisfeito com minha equipe?, disse o treinador ao final da partida. Na visão de Lopes, toda a equipe teve um rendimento bom, mas a apresentação do volante colombiano Valencia foi ressaltada. ?Gostei muito do gringo, o Valencia, mostrou que conhece a posição e é um grande jogador. Tem uma noção de marcação muito boa, sabe sair jogando muito bem e quase não erra nessa saída de bola?, comentou Lopes. Para o Delegado, a presença do colombiano fez com que o meio-campo atleticano se sobressaísse sobre o adversário.

Lopes comentou a surpreendente escalação de Michel, que estava esquecido no elenco atleticano. ?O Michel é lateral-esquerdo e não tínhamos outro. O Nei é direito e o Edno disse para mim que prefere atuar pelo meio. A gente tem que escalar o jogador onde ele rende mais?, explicou o treinador, quase que condenando improvisações. No próximo sábado, o Furacão enfrenta o rival Paraná e, sobre o clássico, o Delegado disse que começa a trabalhar no time a partir de hoje.

7ª rodada do Campeonato Brasileiro

Palmeiras 0 x 2 Atlético

Local: Estádio Parque Antárctica, em São Paulo

Palmeiras: Diego; Paulo Sérgio, Nem, Edmílson (Caio no intervalo)e Valmir; Pierre, Martinez, Michael (Rick aos 32° do 2º) e Gustavo; Edmundo (Luiz aos 32°do 2º) e Max. Técnico: Caio Jr

Atlético: Guilherme; Nei, Danilo, Gustavo e Michel; Valencia, Alan Bahia, Cristian (Válber aos 45 do 2º) e Edno (Dinei aos 32°do 2º); Alex Mineiro e Denis Marques (André Rocha aos 37° do 2º). Técnico: Antônio Lopes

Árbitro: Álvaro Azeredo Quelhas,

Auxiliares: Alexandre Santos Conceição e José Carlos de Souza.

Gols: Edno (A) aos 34°do 1º e Alex Mineiro aos 15°do 2º

Cartões amarelos: Michel (A) aos 39 do 1º e Michael (P) aos 25°do 2º

Público total: 17.552

Renda: R$ 496.