Se 2008 ficou marcado pela pouca produtividade e falta de gols no Atlético, o primeiro trabalho da nova temporada encheu de entusiasmo os torcedores mais fanáticos. Afinal de contas, o jogo-treino contra o Batel, de Guarapuava, realizado ontem à tarde no CT do Caju, teve uma chuva de gols.

Mas o placar elástico, 9 a 0, foi construído em cima de uma equipe com sérias limitações técnicas e que pouco incomodou o Furacão. Valeu mesmo pela movimentação e, como disse o treinador Geninho, para mostrar que o grupo está assimilando o que vem sendo treinado no dia-a-dia, principalmente as jogadas pelas laterais e triangulações.

O destaque do jogo foi a dupla de atacantes. Rafael Moura e Julio César. Cada um marcou três gols nos primeiros 45 minutos, tempo que a equipe titular permaneceu em campo. A facilidade, no entanto, não deslumbrou Rafael Moura.

“Goleada em jogo-treino é diferente do que acontece no campeonato. Mas é bom iniciar assim, marcando gols. Dá confiança”, avaliou He-Man. Júlio César segue a mesma linha. “O time é o mesmo, com exceção do Alan Bahia. Quando o coletivo é preservado, as coisas ficam melhores”, afirmou. Sobre a goleada, comentou: “Se fizemos vários gols é porque tínhamos essa obrigação. Foi bom para o começo de temporada”, finalizou.

Outra boa notícia para a torcida é que a bola parada, principal jogada do time em 2008, continua bem ensaiada no Furacão. Ontem dois gols saíram de cobranças de escanteio e cabeçadas dos atacantes Rafael Moura e Julio César. E o protagonista neste tipo de jogada é Netinho.

“Começamos da mesma maneira que terminamos no ano passado: eu fazendo assistência e o Rafael fazendo gols. Espero que também dê resultado no campeonato”, afirmou Netinho.