Foto: Gaspar Nóbrega/Vipcomm

Bola alta em disputa e ninguém vê, pois Alex, Roberto e Dinei sobem de olhos fechados para tentar cabecear.

Deu a lógica no Morumbi. Apático e limitado, o Atlético não foi páreo para o São Paulo, que nem precisou jogar bem para vencer por 2 a 0, na noite de ontem. Mais uma decepção para a torcida rubro-negra, que vê o time cada vez mais perto da zona de rebaixamento e sem perspectivas de recuperação.

Desde o primeiro minuto, o Furacão teve muita dificuldade para barrar os ataques tricolores. Foram várias as bolas cruzadas na área atleticana, para desespero da defesa, que não resistiu por muito tempo.

Aos 5?, após um escanteio, o árbitro marcou jogo perigoso de Valencia, dentro da área. O colombiano ergueu demais o pé em uma disputa com Souza. Na cobrança em dois lances, Rogério Ceni rolou e Jorge Wagner soltou um foguete, que furou a barreira atleticana e balançou a rede.

O São Paulo diminuiu o ritmo após o gol e deu espaço para o Atlético avançar. Porém, faltava ao ataque rubro-negro qualidade para superar a forte defesa tricolor.

Dinei e Marcelo pareciam entregues à marcação. Os laterais pouco apoiavam e Ferreira se desdobrava sozinho, tentando em vão criar algum lance de perigo. Em todo o primeiro tempo, o time não conseguir finalizar uma vez sequer contra o gol de Rogério Ceni.

No intervalo, o técnico Antônio Lopes tentou deixar o Atlético mais criativo e colocou Claiton no lugar de Valencia. Mas foi o São Paulo quem voltou pressionando.

Logo no início, Guilherme teve que trabalhar bem para defender uma bomba de Josué. Pouco depois, aos 9?, Richarlyson cruzou na área e Alex Dias tentou de calcanhar. Guilherme defendeu, mas a bola bateu na trave e sobrou para Borges, que só tocou para o gol.

Perdendo por 2 a 0, o Furacão não tinha outra alternativa senão partir com tudo para o ataque. André Rocha chegou a assustar Rogério, no primeiro chute a gol atleticano, mas a defesa paulista continuou prevalecendo.

Nem mesmo a substituição de Netinho por Rogerinho mudou o panorama. Completamente dominado, o rubro-negro foi incapaz de ameaçar a tranqüila vitória tricolor.

A vitória garantiu ao São Paulo a condição de melhor time do primeiro turno do Brasileirão, com 40 pontos. O Atlético continua com 22 e está em 15.º. Hoje, pode ser ultrapassado pelo Corinthians, que tem 20 e enfrenta o Grêmio, no Pacaembu.

O Furacão volta a campo na próxima quarta-feira. Contra o Vasco, na Baixada, faz sua estréia na Copa Sul-Americana.

Após derrota pro Sampa, jogadores voltam a pedir paciência à torcida atleticana

Pobre torcida atleticana. Criticada pelos cartolas, que insistem em reclamar de uma suposta falta de comprometimento com o clube, a galera tem que ouvir após cada derrota o pedido de paciência dos jogadores. Ontem não foi diferente. Depois do jogo com o São Paulo, não faltaram novas promessas, que continuam longe de ser cumpridas.

?Nós temos pedido calma ao torcedor e vamos continuar pedindo?, disse o goleiro Guilherme. ?Estamos em uma situação complicada, mas acreditamos em nosso grupo. A torcida pode confiar que com certeza vamos dar a volta por cima?, prometeu.

O problema é que o campeonato vai passando e nada da tal ?volta por cima? acontecer. Ontem, o time mais uma vez mostrou que não tem qualidade para brigar contra os melhores do Brasileirão. ?Criamos pouco. A defesa do São Paulo não dá espaço. Não conseguimos furar o bloqueio montado por eles?, lamentou o zagueiro Danilo.

Ato falho

O capitão atleticano também reclamou do primeiro gol sofrido, após uma cobrança de falta em dois lances. ?Não podemos tomar um gol assim. Temos jogadores para agredir a bola, mas não sei por que não fizemos isso?, disse Danilo, talvez num ato falho. Afinal, ?agredir a bola? parece ser a especialidade da atual equipe rubro-negra.

Agora, o Furacão se agarra à esperança de repetir o desempenho dos últimos anos, quando teve uma performance muito melhor na 2.ª metade do campeonato. ?O clube tem condição de evoluir mais e fazer um segundo turno melhor do que o primeiro?, acredita o técnico Antônio Lopes.

Porém a caminhada já começa com novos problemas. Contra o Figueirense, no próximo sábado, o time não poderá contar com o meia Ferreira e com os volantes Valencia e Claiton. Eles receberam o terceiro cartão amarelo no Morumbi e estão suspensos.

Sul-Americana

Antes da seqüência do Brasileiro, o Atlético inicia um novo desafio. Na quarta-feira, estréia na Copa Sul-Americana, contra o Vasco, na Baixada. Hora de, mais uma vez, apelar para a torcida. ?Temos que aproveitar que voltamos a vencer na Arena e trouxemos o torcedor para nosso lado. A ajuda deles vai ser fundamental?, conclui Guilherme.

BRASILEIRO 2007

19.ª rodada

SÃO PAULO 2 x 0 ATLÉTICO

São Paulo ­

Rogério Ceni; Alex Silva, Breno e Miranda; Souza, Josué, Richarlyson, Leandro e Jorge Wagner; Dagoberto (Hugo ­ 27? 2.º) e Borges (Diego Tardeli ­ 27? 2.º). Técnico: Muricy Ramalho.

Atlético ­

Guilherme; André Rocha, Danilo, Rhodolfo e Edno; Roberto (Erandir ­ 30? 2.º), Valencia (Claiton ­ int.), Netinho (Rogerinho ­ 12? 2.º) e Ferreira; Dinei e Marcelo. Técnico: Antônio Lopes.

Gols: Jorge Wagner, aos 5? do 1.º tempo. Borges, aos 9? do 2.º tempo.

Árbitro: Washington José Alves de Souza (AM)

Assistentes: Gilbert Ferreira Costa (AM) e Luis Cláudio Rodrigues da Costa (AM)

Cartões amarelos: Richarlyson, Alex Silva, Borges (São Paulo), Valencia, Ferreira, Marcelo, Claiton (Atlético)

Local: Morumbi, em São Paulo (SP)

Público: 36.614