Foto: Valquir Aureliano
Domingo, contra o Fluminense, o time apresentou uma melhora, mas Lopes terá muito trabalho para colocar o Rubro-Negro nos trilhos novamente.

Melhorou, mas pelo que foi visto no domingo, Antônio Lopes terá muito trabalho para que o Atlético volte a vencer no Brasileirão, o que não acontece desde a 2.ª rodada. Até o momento, o Furacão tem apenas 44,4% dos pontos disputados e está há quatro jogos sem vencer.

O aproveitamento na Baixada é ainda mais baixo: 33,3% – com o retrospecto de apenas uma vitória, um empate e duas derrotas. Para permanecer entre os primeiros colocados a equipe tem que ter um aproveitamento superior a 60%.

Em poucos dias, o Delegado, ao menos, conseguiu motivar o grupo e com as alterações que fez imprimiu um ritmo diferente no time. Pena que isso durou apenas 45 minutos no jogo de domingo. A defesa, cobrada exaustivamente nos treinos durante a semana passada, foi o ponto forte do Furacão, que entrou ?mordendo? em campo. Os três zagueiros e dois volantes se portaram bem, impedindo que o Fluminense criasse jogadas no 1.º tempo. Na etapa final, a história foi outra, mas a queda de produção ocorreu devido às virtudes do Fluminense e às substituições feitas por Lopes, que não surtiram o efeito desejado. Aos poucos, o técnico está conhecendo o seu grupo de trabalho e, em sua estréia, já pôde detectar que ?falta mais qualidade?, principalmente na armação. Evandro não passa por uma boa fase e não há em todo elenco um grande jogador de criação. Netinho mostrou-se inconstante e Válber é uma incógnita, já que a imprensa não tem acesso aos treinamentos do Atlético, e sequer tem sido relacionado para os jogos. Evandro entrou no intervalo para substituir o contundido Tiago. Não agradou e foi substituído por Pedro Oldoni. ?Podem ter certeza que eu vou dar a volta por cima?, declarou Evandro. No domingo, mais uma vez, a torcida cobrou a diretoria com os gritos de ?queremos jogador?.

Arriscar

Diante dessa situação, improvisar e arriscar são as palavras de ordem no Furacão. Contra o Fluminense, Lopes já lançou mão dessas características. Ressuscitou o esquecido André Rocha, atleta que era seu ?curinga? no elenco de 2005, e lançou Tiago como titular, jogador que tinha feito apresentações pífias na era Vadão. O ex-jogador do Paranavaí mostrou serviço e foi a surpresa da partida. Saiu contundido no final do 1.º tempo, mas não preocupa tanto a comissão técnica. O exame de ressonância magnética revelou que não houve ruptura de ligamentos no joelho afetado, apenas um trauma muscular.

O volante André Rocha, apesar da longa inatividade, conseguiu um desempenho razoável. Foi driblado no gol do Tricolor, mas toda a defesa errou no lance. ?O treinador deu nova cara ao time. Com mais pegada, mais vibração. O professor impôs isso?, explicou. Sobre o seu retorno ao time, comentou: ?Fiquei um bom tempo sem jogar, mas busquei meu espaço. Antônio Lopes me deu confiança e vou ajudar?.

A inconstância do time tem afetado os jogadores. Nei, que era um dos destaques do time de Vadão, sempre jogando improvisado, não conseguiu repetir as boas atuações. Em compensação, Denis Marques voltou a jogar bola, o que não se via há muito tempo. O seu companheiro de ataque é quem está decepcionando, agora. Depois de acertar a sua permanência no Atlético até o final do ano, o ídolo Alex Mineiro não rendeu mais e está há dois jogos sem marcar, fato que não era visto desde o confronto com o Fluminense pela Copa do Brasil. Alex não marcou no jogo do Maracanã (2 de maio) e na Arena (9 de maio).

Atuação surpreendente

Correu, abriu espaço, chutou em gol e, ainda por cima, balançou a rede do adversário. Não. Não é Alex Mineiro, mas Denis Marques, que voltou a fazer uma boa partida pelo Atlético. Há mais de dois meses sem marcar, o atleta surpreendeu os torcedores e a imprensa com sua movimentação e vontade de jogar. Até voltar para marcar no campo de defesa ele voltou. A boa partida lhe rendeu reconhecimento e entrevistas no final do jogo. ?No 1.º tempo fomos bem, depois tomamos o gol, mas podemos reverter esses maus resultados. Temos que ter tranqüilidade para sair dessa situação?, analisou.

A última vez que o atacante havia marcado, em um jogo oficial, foi em 5 de abril na classificação do Atlético para as oitavas-de-final da Copa do Brasil – 3 a 0 contra o Vitória-BA, na Arena. Após essa partida, Denis entrou num período ruim, não marcando nas semifinais do Estadual. Machucou-se e permaneceu cerca de três semanas no departamento médico. Não jogou contra o Fluminense e Atlético-GO pela Copa do Brasil. Passou cinco rodadas do Brasileirão em branco.

Com o gol assinalado e a boa apresentação, a torcida espera que ele mantenha o ritmo e que, juntamente com Alex Mineiro, volte a formar a dupla infernal vista no início do ano. Dos 89 gols marcados pelo Furacão na temporada, Alex e Denis marcaram juntos 39. Alex fez 25 e Denis 14.