O que parecia uma classificação tranqüila, devido à combinação de resultados disponíveis para o Atlético, se transformou em pesadelo e desespero para a torcida, que viu seu time ser derrotado dentro da Arena e eliminado da Copa Sul-Americana.

O jogo foi emocionante na etapa final, mas a derrota por 4 a 3 além de colocar ponto final nas esperanças do Rubro-Negro de almejar algo melhor no ano, deixou claro as diversas deficiências da equipe.

Agora, restrito à disputa do Brasileirão, onde luta pra escapar da Segundona, o Furacão tem que buscar forças para encarar o Santos, na Vila Belmiro, no sábado, pois mais uma derrota será desastrosa.

Jogo

Apoiado pela massa rubro-negra que compareceu em bom número no estádio – já que a Arena não era palco de jogos com equipe estrangeira desde 2006 – o time atleticano começou assustando o adversário.

Aos 4 minutos quase abriu o placar com Pedro Oldoni. Hernandes fez uma ótima defesa no reflexo. Após escanteio, novo bate-rebate na área mexicana e outra chance desperdiçada. Nos primeiros quinze minutos, o Chivas adiantou a marcação e deu espaço para o Atlético jogar.

Depois disso, o Rebanho Sagrado – como é conhecida a equipe mexicana -equilibrou as ações e tentou jogadas pelas laterais, com cruzamentos para Arellano e Santana.

As duas equipes pareciam satisfeitas com o empate e o jogo permaneceu morno até os 42 minutos, quando Rodriguinho fez falta na lateral esquerda do Furacão. O bom jogador Fabian de La Mora levantou a bola na área e a defesa rubro-negra deu bobeira.

Pineda apareceu sozinho, no segundo pau, e cabeceou sem chances para Vinícius – 1 a 0. O Atlético, que estava muito sonolento em campo, criou a chance de empatar no finalzinho do 1.º tempo. A equipe saiu vaiada para os vestiários.

Para a etapa final, o Atlético tinha que partir para cima em busca do empate. Mas aos 5 minutos veio o balde de água fria. Boa troca de passes do Chivas e a bola caiu nos pés de Baez, que chutou cruzado e ampliou – 2 a 0.

Diante da adversidade, Geninho fez substituições e o Atlético partiu pra cima. O gol aconteceu em seguida. Netinho cobrou falta e Rafael Moura cabeceou forte, marcando um bonito gol.

A partir daí o Furacão se abriu e foi castigado. Primeiro numa indefinição boba entre Danilo e Vinícius que Aurellano aproveitou. Em seguida, cobrança de falta perfeita de Santana – 4 a 1.

Depois disso, o Atlético se lançou desesperadamente pra cima e o Chivas se encolheu. Assim o Furacão descontou com Kelly, de cabeça, e Rafael Moura, num chute cruzado. A pressão paranaense continuou até o apito final, com o Atlético desperdiçando várias chances e vendo o sonho de prosseguir na Sul-Americana ir embora.