Apesar de não fazer falta na goleada do primeiro
jogo, Adriano volta como titular,
enquanto Alessandro repete a escalação.

O torcedor do Atlético vai ter mais uma chance de presenciar um momento histórico do clube. Amanhã, o time tem tudo para se sagrar tricampeão paranaense pela primeira vez na história e somar 20 títulos estaduais ao seu currículo. Tudo isso para apenas três mil torcedores que terão que correr para comprar o cobiçado bilhete nas bilheterias da Arena. A festa em vermelho e preto só não acontece se o Paraná conseguir vencer por cinco gols de diferença.

Apesar da vantagem elástica, o grupo não quer dar chance para o azar. Todos sabem que é difícil construir no péssimo gramado da Vila Capanema, mas o Tricolor é um grande clube e o Rubro-Negro tem um histórico recente de resultados negativos. “Esse semestre foi muito difícil para nós. Teve aquele jogo que estávamos ganhando por 5 a 1 do Bolívar e acabamos deixando eles empatarem. Depois fomos buscar a classificação na Colômbia e perdemos de 5 a 0 do América”, lembra o técnico Riva Carli.

Isso não é tudo. Na Copa Sul-Minas, o próprio Paraná conseguiu um resultado igual (6 a 1) diante do Coritiba na Vila. Ninguém esperava e o placar significou o fim da era Joel Santana no Alto da Glória. “Por isso é que não devemos diminuir o ritmo. Ganhamos jogando dessa forma e temos tudo para repetir o mesmo futebol lá na casa deles”, continua.

No entanto, Riva considera muito ingrata a missão do adversário. “É muito difícil acontecer um placar elástico assim num clássico. Já que conseguimos, vamos aproveitar na segunda partida”, pondera.

Para esta partida, ele só não poderá contar com o atacante Ilan que continua no departamento médico (além de Kléberson na seleção e Rogério Correia que se recupera de uma cirurgia no joelho). Os demais estão todos à disposição e poderão ser aproveitados na final de amanhã. A expectativa é que o meia Adriano e o atacante Dagoberto voltem ao time após cumprirem suspensão automática.

Hoje pela manhã, Riva deverá comandar um mini-coletivo seguido de um treino técnico/tático. Ontem, os jogadores que atuaram diante do Paraná apenas correram ao redor do gramado enquanto os reservas fizeram um treino leve com bola. Alex Mineiro, Alessandro, Fabiano e Luisinho Netto foram poupados e ficaram no DM fazendo tratamento.

O dolorido dia seguinte

Irapitan Costa

Um dia de reflexão na Vila Capanema. O Paraná Clube passou de invicto a humilhado em “seis lições”. A goleada sofrida no primeiro jogo das finais do supercampeonato paranaense deixou marcas profundas. Os jogadores ainda se mostravam cabisbaixos, enquanto a comissão técnica tentava recuperar o equilíbrio do grupo. O técnico Caio Júnior – após rever a partida – entende que foram “dois jogos distintos”. Para ele, até 22 minutos do segundo tempo, quando o Atlético fez o terceiro gol, a vitória não refletia o que acontecia dentro de campo.

“Até ali, o Paraná estava muito bem postado e pressionando em busca do empate”, analisou. Caio Júnior reuniu todo e elenco ontem à tarde e foi feita uma análise detalhada do clássico. “Com o teipe, tive a condição de me certificar de alguns pontos básicos”, disse. O técnico reclamou da falta de personalidade do árbitro Francisco Carlos Vieira, que deixou de expulsar Alessandro, que cometeu falta violenta em Alexandre – um carrinho – e já tinha amarelo. “Isso, ocorreu pouco antes do gol do Fabiano, o que mudaria os rumos da partida”, afirmou.

Além de atletas e integrantes da comissão técnica, Evandro Mota também participou da reunião. Ele faz um trabalho de conscientização e motivação para os jogadores paranistas e deixou a sua mensagem neste momento delicado. O “foco” do Tricolor, agora, passa a ser vencer o jogo de volta, amanhã (às 15h55), no Durival Britto. “Tentamos dissociar a necessidade de marcar cinco gols”, disse Mota.

Fabiano garante ter voltado à sua fase

O ala-esquerdo do Atlético, Fabiano, não só comemorou o seu primeiro gol na temporada como vibrou com a volta do bom futebol. Mais do que isso, ele pode se tornar amanhã um dos jogadores a participar das três conquistas estaduais consecutivas. Passada a alegria pela goleada histórica, ele voltou ao CT do Caju para fazer tratamento médico mas garante presença na partida final. Ontem, ele falou com a reportagem do Paraná-Online.

Paraná-Online

– Porque você pediu substituição no jogo de quinta-feira?

Fabiano

– O tornozelo incomodou um pouquinho por isso eu pedi para sair, porque fiquei com medo de se agravar.

Paraná-Online

– Foi surpresa essa sua bela atuação?

Fabiano

– Foi uma das melhores partidas. Eu tinha caído um pouco de rendimento nesse, semestre, mas quinta voltei a render bem.

Paraná-Online

– Qual o motivo dessa queda de rendimento?

Fabiano

– Não sei o que acontece, porque eu sempre mantive um bom padrão atuando pelo Atlético.

Paraná-Online

– E no domingo?

Fabiano

– Temos que manter o respeito ao Paraná, mas sabemos que temos todas as possibilidades de sair da Vila com esse título. (RS)

Kléberson e Ilan fora da lista de campeões

O Atlético tem tudo para se tornar tricampeão estadual amanhã e dois de seus principais jogadores não terão o gostinho de ter participado da conquista do título. Numa competição atípica, o meia Kléberson e o atacante Ilan não puderam disputar nenhuma partida do supercampeonato paranaense e ficarão sem essa honra em seus currículos. Jogada em menos de vinte dias, a competição acabou sacrificando os dois.

Para o meia, a frustração só não é maior porque está servindo à seleção brasileira. Xaropinho esteve presente nas conquistas rubro-negras de 2000 diante do Coritiba e de 2001 sobre o Paraná. Um minuto ao menos em uma das seis partidas e ele seria um dos tricampeões.

Já Ilan gostaria de estar presente para se afirmar com atleta do Furacão. Com uma carreira ainda marcada pela passagem pelo rival de amanhã e sem uma posição consolidada no grupo atleticano, o atacante vinha sendo o “12.º titular”. Após a Copa Sul-Minas, o jogador resolveu parar de atuar no sacrifício e se recuperar de uma contusão na coxa direita. Apesar do tratamento intensivo, ele não conseguiu estar apto para voltar a atuar. (RS)