O Atlético enfrenta o xará mineiro neste domingo, a partir das 19h30, na Arena da Baixada, com a missão de voltar a vencer no Brasileirão. A derrota para o Fluminense interrompeu uma ótima sequência de três vitórias seguidas e caberá ao técnico Claudinei Oliveira e seus jogadores trabalhar para evitar que isso abale a confiança do grupo rubro-negro. Pelo bom clima que impera no CT do Caju, essa missão não será tão difícil. Difícil mesmo será encarar o Atlético-MG.

Enfrentar o Galo pede cuidado, pois o jogo pode se apresentar em circunstâncias extremas: otimistas, mas também pessimistas. Olhando pelo prisma positivo o Furacão certamente terá um adversário pouco focado no jogo propriamente dito. Como o time mineiro está em plena disputa da fase semifinal da Copa do Brasil, o foco da equipe estará dividido, pendendo um pouco para a disputa contra o Flamengo no meio da próxima semana.

O Brasileirão não pode ser despejado, entretanto, porque a boa sequência de resultados do adversário mantém as chances de briga pelo título da competição. Por isso, o técnico Levir Culpi acredita que poupar jogadores será uma alternativa. “Pode ser (que poupe), ainda mais depois do esforço de ontem (quarta-feira). Depende dos jogadores. A gente pode sim escalar uma equipe alternativa, mas têm condições de vencer. É o que se pode fazer no momento. Preciso ver como os jogadores estão a partir de agora. Vamos checar os jogadores e depois vamos definir o time”, disse à Tribuna 98. Bom pro Atlético? Talvez.

Levir admite conhecer pouco o time atual do Furacão. “Sempre difícil falar sobre outro clube, pois não estou acompanhando, não estou lá dentro. Nesse momento não estou vivendo a filosofia do clube, os objetivos do clube. A gente observa apenas os jogos e percebe que é um time jovem e com futuro”, disse ele, que revela não gostar muito de voltar a Curitiba.

“Sou de Curitiba e tenho amigos, família e negócios. Eu não gosto muito de jogar onde tenho tudo isso. É sempre desconfortável, pois infelizmente não encontra só amigos. Encontra também pessoas que não gostam de você, encontra adversários, que torcem para outro time. Isso gera uma serie de situações constrangedoras”.