atletico191204.jpg

Para o técnico atleticano,
nada está perdido.

O título do campeonato brasileiro deste ano já foi embora, porque não sonhar? Depois de chorar a derrota para o Vasco da Gama e ver a segunda estrela dourada praticamente fugir entre as mãos, o Atlético entra em campo hoje para encerrar o ano por cima.

Em clima de despedida, a vitória sobre o Botafogo é tudo o que comissão técnica e jogadores querem para fechar um ciclo. Mesmo assim, todos estarão na Arena com a cabeça ligada no jogo de São José do Rio Preto. Se o time de Eurico Miranda complicar as coisas para o Santos, aí, vai ser só alegria. O confronto está programado para as 16 horas e a torcida promete festa, mesmo com o vice-campeonato.

Não que o clube já esteja conformado com a segunda colocação, mas quem penou nos dois anos anteriores, a conquista de uma vaga na Copa Libertadores da América já é motivo suficiente para comemorar. De qualquer forma, ainda há chances para o Rubro-Negro. Pela matemática, são 22,7% de possibilidade de conquista do título contra 77,3% do Peixe. Na prática, o Furacão precisa vencer o Botafogo enquanto os paulistas não podem superar a equipe de Eurico.

Impossível? Não para o técnico Levir Culpi. "Quem disse que já acabou? Nós ainda temos chances e vamos jogar para conseguir mais uma vitória", promete. Segundo ele, o Rubro-Negro merece mais do que ninguém essa conquista. "Esse título deveria coroar o trabalho de uma temporada toda e, por isso, nós ainda estamos disputando. Nós construímos esse caminho até com muita dificuldade e quem esteve aqui com a gente pôde perceber", garante.

Para o treinador, hoje não é dia para chorar. "É um momento que nós temos de alegria para encerrar a competição, ainda com a possibilidade de sermos campeões", aponta. Ele conclama a torcida para a partida e para comemorar, ou o título ou a grande temporada. "Acho que nós temos que fazer uma grande festa no domingo, procurar fazer um ótimo jogo, conseguir uma grande vitória para selar o campeonato", finaliza.

Despedidas

Ainda sem querer comentar muito o assunto, tanto Levir quanto alguns titulares deverão fazer a última partida pelo Atlético amanhã. É o caso do técnico Levir Culpi e do volante Fabiano, que estão rumando para a Toca da Raposa. Os dois estão conversados com o Cruzeiro e devem defender o clube mineiro em 2005. Já o atacante Washington vai para o Verdy Tokyo, o zagueiro Marinho ainda não foi procurado para renovar e também não deve ficar, além de Jádson, que tem proposta do Benfica.

Jádson volta. Time está completo

Eram os últimos treinamentos do Atlético na temporada e do campeonato brasileiro, o técnico Levir Culpi nem tinha muito mais o que falar para os jogadores, mas manteve a seriedade até o fim, com portões fechados e tudo o mais no CT do Caju. Tudo em função da "decisão" de hoje contra o Botafogo, às 16 horas, na Arena. Ainda que com poucas chances de ser campeão nacional, o treinador quer a vitória para terminar o ano por cima. Apesar do mistério, Jádson será a novidade da equipe pare enfrentar os cariocas da estrela solitária.

"Estou bem para esse jogo, a semana foi boa e, agora, é só entrar em campo e buscar essa vitória", diz o meia. Segundo ele, não foi fácil ficar de fora na última rodada, mas o que importa é que a equipe fez uma grande campanha. "Todo mundo está consciente do seu potencial, mas vamos entrar para fazer a nossa parte e torcer pelo Vasco. Tomara que eles joguem contra o Santos do mesmo jeito que jogaram contra a gente", analisa.

Com a volta dele, Fernandinho muda de função e passa a atuar pela ala-direita. Assim, Raulen retorna para a suplência. Nas demais posições, o time será o mesmo que enfrentou a equipe de Eurico Miranda.

Apesar da aparente tranqüilidade, o time viveu momentos de desânimo durante a semana. Primeiro, a derrota em si para o Vasco. Depois, as declarações de Eurico dizendo que apostaria suas fichas no Santos e que sua equipe não teria a mesma disposição contra o Santos. Apesar disso tudo, o goleiro Diego garante que o grupo soube superar tudo isso e está preparado para enfrentar o Botafogo. "O importante de tudo o que estamos passando é fazermos nossa parte. Será um jogo muito competitivo. Desse jeito está bom, mas eu quero o ótimo, que é ser campeão brasileiro", finaliza.

Homenagem

Antes da partida de hoje, a equipe de juniores estará na Arena para exibir aos torcedores o troféu da conquista do título paranaense de 2004. O time rubro-negro ainda contou com o artilheiro da competição: Ânderson Aquino, com 12 gols. (RS)

Botafogo joga seu destino na partida de hoje à tarde

Bruno Lousada

Rio (AE) – O Botafogo pode estragar a comemoração de seu centenário com o retorno tão breve à Segunda Divisão. E para a festa não virar um velório, a equipe alvinegra terá uma missão, no mínimo, desafiadora: derrotar o Atlético.

Se empatar ou perder, o alvinegro terá de torcer por resultados adversos de Vitória, Criciúma e Atlético-MG para se manter na divisão de elite do futebol brasileiro.

Para um clube marcado pela superstição ao longo de sua história, não há como deixar passar em branco a inusitada situação que vive o técnico do Atlético, Levir Culpi – figura com extrema importância em General Severiano. Um ano após o rebaixamento do Botafogo no brasileiro de 2002, Levir assumiu o comando da equipe e contou com a confiança de todos para levar o alvinegro de volta à Primeira Divisão.

Hoje, porém, ele pode marcar de novo seu nome na história do clube carioca. Desta vez, de maneira negativa. Mesmo assim, não é incomum encontrar torcedores alvinegros que ‘apostam’ numa colaboração do ex-treinador, que tem a admiração de boa parte dos botafoguenses.

Superstição à parte, o técnico Paulo Bonamigo parece estar bem consciente do que o grupo precisa fazer para sair de campo com a vitória. Procurou passar confiança aos jogadores, que se mostraram mais otimistas para este jogo. O atacante Alex Alves, por exemplo, sonha ser o personagem principal da permanência do Botafogo na divisão de elite.

Não promete gols. Em compensação, diz ele, determinação e raça não vão faltar no confronto deste domingo. "É o jogo mais importante de todos na temporada", declarou Alex Alves. O lateral-direito Ruy, que se recuperou de contusão, acha que este campeonato foi o mais difícil dos últimos anos. Mas não quer usar isso como uma desculpa para um eventual retorno à Série B. "O Botafogo não foi bem em 2004. Fomos eliminados muito cedo do Carioca e da Copa do Brasil, além de ter passado boa parte do Brasileiro na zona de descenso. Mas ainda podemos dar a volta por cima", disse Ruy, que considera o rebaixamento uma mancha na história de qualquer clube.

A única dúvida de Bonamigo está no ataque. Ele ainda não sabe se vai optar por escalar Ricardinho ou Schwenck ao lado de Alex Alves. A tendência é a de que o primeiro inicie o jogo. Mas o mistério somente vai ser desvendado pelo treinador minutos antes de a equipe entrar em campo.

O otimismo do elenco às vésperas da decisão contrastou com o início da semana, quando o clima era de baixo astral. Também não era para menos. Diante de sua torcida, que lotou o Caio Martins, o Botafogo perdeu para o Corinthians, por 2×1, e se viu mais próximo do descenso. A dispensa de 11 jogadores, camuflada com o discurso de férias antecipadas, abateu ainda mais o grupo. A fisionomia dos atletas melhorou na quinta-feira, dia da viagem para Curitiba. A proximidade do confronto foi positiva para o grupo, que passou a acreditar numa possível reação. "Ainda tenho esperança", afirmou o volante Túlio.

CAMPEONATO BRASILEIRO
ATLÉTICO X BOTAFOGO

Atlético: Diego; Marinho, Rogério Corrêa e Marcão; Fernandinho, Alan Bahia, Fabiano, Jadson e Ivan; Dênis Marques e Washington. Técnico: Levir Culpi

Botafogo: Jefferson; Ruy, Gustavo, Scheidt e Jorginho Paulista; Fernando, Túlio, Valdo e Caio; Ricardinho (Schwenck) e Alex Alves. Técnico: Paulo Bonamigo

Súmula
Local
: Joaquim Américo
Horário: 16h
Árbitro: Carlos Eugênio Simon (FIFA-RS)
Assistentes: Altemir Hausmann (FIFA-RS) e Villi Tissot (RS)