Foto: Valquir Aureliano

Danilo sai para comemorar o seu gol, o segundo do Furacão contra
o Real Brasil.

Os zagueiros rubro-negros foram os donos do jogo e deram ao Atlético a 2.ª vitória consecutiva no Estadual. Apoiado pela torcida que tomou conta do Estádio do Pinhão, o Furacão venceu por 3 a 1 o Real Brasil, na tarde de ontem, e assumiu provisoriamente a tabela da competição. O Rubro-Negro tem agora seis pontos ganhos. O Real estacionou nos três pontos e por ora na 4.ª posição. O próximo desafio do Atlético é contra o Engenheiro Beltrão, na estréia do time na Arena da Baixada. O Real jogará em Paranavaí.

A chuva que insistiu em cair durante grande parte da partida prejudicou a qualidade técnica do jogo, que na 1.ª etapa foi de dar sono. O Atlético, sem criatividade, se entregou à marcação do Real Brasil que sabia se posicionar muito bem atrás e tentava encaixar rápidos contra-ataques, principalmente com o baixinho Edmílson.

O Rubro-Negro trabalhava a bola e tinha mais a sua posse, porém insistia em fazer jogadas pelo meio que facilmente era congestionado pela equipe de São José dos Pinhais. O Atlético só conseguiu levar perigo a meta do goleiro Rodrigão, um dos melhores da partida, quando o ala Jancarlos criava essa possibilidade. E foi pela direita que surgiram as duas oportunidades de gol do Furacão e que deram início ao duelo de ?Rodrigos?. Em duas oportunidades o centroavante Rodrigão finalizou para abrir o marcador no Estádio do Pinhão, mas foi impedido pelas boas defesas do seu homônimo.

Mesmo com o campo molhado, os chutes de longa distância foram pouco utilizados pelas duas equipes. Pelo Atlético, apenas Michel arriscou um petardo, mas totalmente sem direção. Já pelo Real Brasil, a única chance aconteceu aos 21 minutos, com o atacante Leonardo.

Nos primeiros 45 minutos, o goleiro atleticano só tocou na bola para fazer a reposição.

Grandes emoções

Foto: Valquir Aureliano

Rhodolfo cabeceou para o meio do gol, onde estava Antônio Carlos, que marcou o 1.º gol.

Se na etapa inicial predominou a falta de jogadas trabalhadas e de emoção, na final o jogou fluiu e os gols apareceram. Logo aos três minutos, o Atlético fez sua torcida vibrar. O zagueiro Antônio Carlos aproveitou cruzamento de Ferreira e balançou as redes do Real Brasil. Atlético 1 a 0.

Entusiasmado com o gol, o Furacão foi pra cima e ampliou cinco minutos depois. Netinho bateu falta e Rodrigão acertou uma linda bicicleta. O goleiro deu rebote e Danilo apenas complementou. Atlético 2 a 0.

Com a vantagem, o Atlético quis matar o jogo e se descuidou da defesa.

Num contra-ataque rápido, Leonardo recebeu a bola na área e descontou.

Real Brasil 1 a 2.

A alegria do Real Brasil durou pouco. Numa tarde inspirada, Rhodolfo deu uma arrancada de seu campo, tabelou com Ferreira, que retribuiu para o zagueiro. Rhodolfo não teve medo de ser feliz e soltou um petardo, dando númerosfinais ao placar. Atlético 3 a 1.

Seguindo o roteiro do chefe

Mais importante do que jogar bem, foi o resultado obtido. O Atlético conquistou duas vitórias em dois jogos realizados fora de casa e já mantém a ponta da tabela. Conforme Ney Franco, o planejamento idealizado no início do ano está sendo seguido à risca e que agora a expectativa volta-se para a partida do meio da semana, na qual o Furacão fará a sua estréia na Arena da Baixada e com boa perspectiva de vitória. ?Com nove pontos começamos a definir nossa classificação para a fase seguinte do campeonato e esse é o objetivo. Classificar antes da nossa estréia na Copa do Brasil?, explicou o treinador.

Sobre a apresentação diante do Real Brasil, o comandante rubro-negro avaliou que no 1.º tempo a sua equipe não conseguiu encaixar uma boa marcação no campo do adversário e na etapa complementar isso foi corrigido. Assim as chances de gol apareceram. ?No 2.º tempo nos adaptamos ao campo e empurramos o Real. Com o posicionamento adiantado, o Atlético cresceu?, falou Ney.

Para ele, o Furacão tem muitos detalhes para acertar, o que é normal para o início de temporada, mas que gradativamente o time vai evoluir. A afirmação foi compartilhada pelos seus comandados. ?O importante foi a vitória. Agora é descansar e dar seqüência ao trabalho para nos mantermos na ponta da tabela?, acrescentou o colombiano Ferreira. Para o capitão Claiton, toda a equipe está de parabéns pelo que tem apresentado nesse início de ano. ?O grupo está trabalhando em busca da conquista do campeonato?, finalizou.

Pelo lado do Real Brasil, apesar da derrota, o técnico Francisco Castão gostou do desempenho de sua equipe e elogiou a postura de seus garotos, principalmente no 1.º tempo. Já os dirigentes reclamaram um pouco da arbitragem, questionando a validade do 2.º gol rubro-negro – queriam a marcação de jogo perigoso do atacante Rodrigão e a não-marcação de um pênalti. (CB)

Real Brasil x Atlético

Local: Estádio do Pinhão, em São José dos Pinhais

Real Brasil: Rodrigão; Alemão, Clay, Raphael e Vinícius; Kulma (Anderson Bonfim aos 13? do 2º), Michael Kerlen aos 30? do 2º ), Jair, Anderson (Adriano aos 10? do 2º); Leonardo e Edmilson. Técnico Francisco Castão

Atlético: Vinícius; Rhodolfo, Antônio Carlos (Alan Bahia aos 37? do 2º ) e Danilo; Jancarlos, Valencia, Claiton, Netinho ( Geílson aos 36? do 2º) e Michel (Nei aos 18? do 2º ); Rodrigão e Ferreira. Técnico Ney Franco:

Árbitro: Jarbe Cassou

Assistentes: Roger de Oliveira Gomes e Sandra Maria Dawies.

Gols: Antônio Carlos aos 3?, Danilo aos 10? e Rhodolfo aos 34?do 2º (A); Leonardo aos 27?do 2º (RB)

Cartões amarelos: Antônio Carlos, Michel (A); Alemão (RB)

Público total: 1480

Renda: R$ 22.700