Foto: Valquir Aureliano/Tribuna
David Ferreira caiu nas graças da torcida e virou ídolo do Furacão.

O mais novo ídolo da torcida rubro-negra vai continuar no Atlético em 2006. O Furacão está comprando em definitivo os direitos federativos do meia colombiano David Ferreira, junto ao América de Cali.

A negociação foi confirmada ontem pelo presidente do Conselho Deliberativo do Rubro-Negro, Mário Celso Petraglia. ?O Ferreira veio emprestado, mas com o passe fixado e a opção de compra para o Atlético. Agora, exercemos essa opção?, disse o comandante atleticano à Tribuna.

O Furacão já enviou à Colômbia o ofício comunicando ao América do interesse na contratação definitiva de Ferreira. Agora, só falta depositar na conta do clube colombiano o valor referente à transferência. O Atlético não confirma, mas o negócio deve ficar em torno de 1 milhão de dólares (cerca de R$ 2,2 milhões).

O contrato de Ferreira por empréstimo termina no dia 15 de dezembro. Mas o colombiano já tem um pré-contrato assinado com o Furacão. Após concretizada a transação entre Atlético e América, um novo compromisso será firmado, com vigência de, pelo menos, três anos.

Ao optar por ficar em definitivo com o meia colombiano, o Atlético pensa não apenas no time para 2006, mas em um bom retorno financeiro no futuro. Ferreira tem 26 anos, vem sendo freqüentemente convocado para a seleção da Colômbia e se valorizou bastante após a boa temporada no futebol brasileiro. Portanto, o Rubro-Negro aposta que pode conseguir recuperar com sobras o investimento, numa futura negociação.

Ídolo

David Arturo Ferreira Rico chegou ao Atlético no dia 13 de junho, após ter impressionado a comissão técnica atleticana nas duas partidas que o Furacão fez contra o América de Cali, pela Copa Libertadores da América.

As primeiras oportunidades para Ferreira mostrar seu futebol não demoraram a aparecer. Concentrado na disputa das finais da Libertadores, o Rubro-Negro participava do Brasileirão com o time reserva. E foi assim que o colombiano estreou no dia 3 de julho, na derrota por 2 a 1 para o Brasiliense, na Boca do Jacaré. Na Arena, Ferreira jogou pela primeira vez no clássico Atletiba do dia 10 de julho. O colombiano entrou aos 30? do primeiro tempo e ajudou o Furacão a conquistar a primeira vitória no campeonato, por 1 a 0.

Com o fim da Libertadores, o elenco titular do Atlético entrou de vez na disputa do Brasileirão e Ferreira foi para o banco de reservas. Mas no dia 20 de agosto o colombiano começou a se firmar como titular e como ídolo.

O jogo contra o São Paulo era visto pela torcida rubro-negra como a chance para mostrar que se a final da competição internacional fosse na Arena, a história poderia ser outra. O time não contava com os titulares Lima e Aloísio, e Ferreira foi escalado no ataque, ao lado de Schumaker. O São Paulo saiu na frente, mas com dois gols de Ferreira, seus primeiros com a camisa rubro-negra, o Atlético virou o jogo, que terminaria 4 a 2 para o time da Baixada.

A partir disso, o colombiano caiu nas graças da galera, com boas atuações e muitos gols. No último domingo, contra o São Caetano, a torcida não cansou de gritar seu nome após o segundo gol do Atlético no jogo, o oitavo de Ferreira no Brasileirão.

Lima agradece a torcida rubro-negra

O atacante Lima, negociado com o Al-Ittihad, da Arábia Saudita, para a disputa do Mundial de Clubes da Fifa, não teve a oportunidade de se despedir da torcida atleticana na Arena. Mas deixou uma mensagem de agradecimento ao torcedor rubro-negro, divulgada ontem pelo sítio oficial do Furacão na internet.

?Infelizmente não tive tempo para despedir-me da grande torcida atleticana. Não tenho nem palavras para descrever o tempo que fiquei no Atlético. Minha vida pessoal se transformou tanto quanto a profissional. Muito obrigado, Clube Atlético Paranaense!!! Muito obrigado, Nação Atleticana!?, diz o artilheiro do Furacão na temporada, com 25 gols.

Revelado pelo Coritiba, Lima foi inicialmente recebido com certa resistência pela torcida rubro-negra. Mas suas grandes atuações e seus gols decisivos, principalmente na fase final da Libertadores, conquistaram a galera, que o adotou como ídolo.

E Lima também se identificou com o Atlético. No último clássico Atletiba, disputado no Couto Pereira, o atacante entrou em campo com um novo corte de cabelo, que tinha as iniciais CAP gravadas na nuca. E fez ainda mais: marcou o primeiro gol da vitória do Furacão por 2 a 1 e comemorou pedindo silêncio para a torcida coxa.

Por tudo isso, é a galera rubro-negra quem agradece: ?Obrigado, Lima!?.

Só este ano, 73 jogadores vestiram a camisa do Atlético

Se todos os jogadores que têm o contrato se encerrando no final deste ano e mais outros que possam ser negociados forem embora, o Atlético ainda terá um grupo praticamente formado para começar 2006 e disputar o Campeonato Paranaense. São 53 jogadores com contrato em vigência no momento e que retornam em janeiro, sem contar aqueles que estão no exterior e os que estão na equipe de juniores. Mesmo assim, a reformulação já começou e muitos ainda deixarão o CT do Caju para a chegada de reforços.

A debandada de final de ano começou na Baixada com a saída de Aloísio para o São Paulo, e Lima e Marcão para o Al-Ittihad. Não que Rubro-Negro tenha marcado data para negociar jogadores. Muito pelo contrário. Ao longo do ano, o ritmo de chegadas e partidas quase não parou. Nos 73 jogos do clube na temporada, foram exatamente 73 jogadores utilizados e o elenco ainda possui atletas que nem atuaram e podem nem jogar este ano pelo Furacão.

Entre os principais atletas do elenco que estão fazendo as malas para ir embora estão o goleiro Diego e o atacante Finazzi. O primeiro negocia com Corinthians e Benfica/POR e já está fora

dos planos. O segundo é pretendido pelo Al-Ittihad/SAU e, se o Atlético não exercer seu direito de preferência, vai embora, o que é o mais provável.

Além deles, jogadores que fizeram parte do elenco deste ano podem também ir embora para ganhar ?cancha? em outros lugares. Está quase certo a transferência dos meias Rodriguinho, Wellington e do atacante Jorge Henrique para o Paulista, assim como do zagueiro Alessandro Lopes para o Sport. Outros jogadores tentam a renovação de contrato, como os meias Thiago Almeida e Juliano, e estão com a situação indefinida apesar de quererem ficar.

Enquanto o ritmo atual é de saída, as chegadas já começam a agitar os bastidores. Nada que a diretoria confirme, já que a política dos dirigentes é deixar para anunciar depois que o reforço estiver treinando no CT. Por enquanto, os únicos nomes cogitados

para chegarem em 2006 são o do volante Erandir, que já esteve na Baixada e pode voltar, além do lateral-direito Amaral, ambos do Fortaleza.