Foto: Valquir Aureliano

A volta do colombiano Ferreira, após disputar a Copa América, é a única boa notícia pra torcida rubro-negra.

Está na hora de reencontrar a vitória. O Rubro-Negro não vence há três rodadas e, em decorrência disso, despencou na classificação do Brasileirão. Caiu seis posições em duas semanas e, atualmente, ocupa o 13.º lugar. E pior. Flerta com a zona de rebaixamento, pois está a apenas três pontos do Juventude – primeiro time integrante da ?turma da degola?. Dependendo dos resultados da próxima rodada, o Furacão pode fazer parte desse indesejável grupo.

Se a situação na tabela é desagradável, o ?momento? atleticano também não ajuda. O departamento médico está constantemente com hóspedes e a necessidade que o time tem de exercer uma forte marcação está refletindo em muitas suspensões por cartões. Para a próxima partida, diante do Vasco, na quinta-feira, Alan Bahia, Alex Mineiro e Nei estão suspensos. Além deles, Jancarlos, Valencia e Tiago estão em fase final de recuperação e dificilmente ficarão à disposição do treinador.

Aliado a esses problemas, alguns atletas estão em má fase técnica e não conseguem acertar uma jogada. Destaque negativo para Michel e Cristian. Ambos ganharam chances com Antônio Lopes, mas não estão correspondendo em campo. Assim, com a venda de Denis Marques para o Japão, o Furacão não contará com mais de meio time para tentar reencontrar a vitória no Rio de Janeiro. Até mesmo a invencibilidade que a equipe mantinha em jogos longe da Arena foi por água abaixo contra o Botafogo.

Diante de tanta negatividade, a única boa notícia é o retorno do colombiano Ferreira para dar uma lucidez maior ao meio-campo atleticano. Ele esteve afastado do clube paranaense para defender a Colômbia na disputa da Copa América.

Mudanças

O excessivo troca-troca no posicionamento do Rubro-Negro acaba tirando qualquer chance de entrosamento.

Em cinco jogos no comando, o Delegado foi obrigado a utilizar 24 jogadores diferentes e variou o esquema de jogo entre o 3-5-2 e o 4-4-2, graças à ausência de jogadores, seja por contusões ou suspensões.

Desta maneira, o Atlético não ganhou conjunto e a qualidade técnica não sobressaiu. Para o jogo no Rio de Janeiro, ainda não será desta vez que o time ideal entrará em campo e, para complicar ainda mais, o Furacão terá que quebrar mais um tabu no ano. A equipe paranaense nunca venceu o Vasco em São Januário. Foram 11 jogos, com nove vitórias do Vasco e dois empates.

Cabe ao Atlético despertar, pois a zona de classificação à Libertadores começa a distanciar-se. Para brigar por uma das vagas, o time tem que ter um aproveitamento superior a 60%, bem acima dos atuais 43%. Para o meia-armador Kaio, que teve estréia discreta contra o Botafogo, o torcedor atleticano não precisa se preocupar com os tropeços nessa fase inicial, pois com a volta dos principais jogadores a equipe vai engrenar. Tomara que a espera seja curta.