Já aconteceu no Beira-Rio, já aconteceu no Couto Pereira, já aconteceu na Arena Pantanal. Empolgados com a resposta de público nos grandes estádios do futebol, a Federação Paranaense de Futebol Americano (FPFA) quer levar a final do Campeonato Paranaense, o Paraná Bowl, na Arena da Baixada.

“Quando têm alguém com uma cabeça mais aberta, a situação de abrir para um público diferente do futebol pode trazer benefícios para todos”, diz o presidente da FPFA, Nilo Tavares. A meta é fazer a final para Curitiba, já que as últimas três edições foram no estádio do Fanático, em Campo Largo. Além da maior proximidade com o público, a ideia é aproveitar a publicidade que uma possível final no estádio do Atlético traria para o esporte.

Tavares, inclusive, chegou a abrir negociações com o Atlético em anos anteriores. O problema de conflito de datas com o futebol e o fator financeiro acabaram interrompendo os negócios anteriores com o Furacão.

O dirigente evita falar em valores, mas vê a iniciativa gaúcha, que terá os custos e os lucros divididos entre a federação local e o clube, como uma forma de realizar as partidas. Mas admite dificuldade. “Tem a questão de ter pouco dinheiro envolvido, o que não ajuda”, revela.

Sucesso

No Campeonato Brasileiro do ano passado, por exemplo, cerca de 14 mil torcedores foram à partida semifinal entre Cuiabá Arsenal e o Coritiba Crocodiles na Arena Pantanal, em Cuiabá. Esse é o recorde de público no Brasileiro da modalidade. Tirando as partidas da Copa, esse também é o segundo maior público da história do estádio. O recorde de público na Arena Pantanal é o clássico carioca entre Vasco e Flamengo, em julho de 2015, pelo Brasileiro, com 16 mil pessoas.