As dívidas do Atlético por conta das obras da Arena da Baixada, em 2014, ainda seguem gerando polêmicas. Depois de o Tribunal de Contas do Paraná (TCE-PR) suspender os decretos relacionados ao financiamento do estádio, o Atlético decidiu se posicionar sobre o assunto e admitiu que ainda não chegou a um acordo para solucionar o pagamento.

“O Atlético não fez nenhum acordo com a Fomento Paraná”, disse o advogado do clube, Luiz Fernando Pereira. “Os decretos não extinguem dívida nenhuma. Os decretos só autorizam que, em vez da prefeitura ter que vender o potencial construtivo, repasse o dinheiro para o Atlético, que repassaria o dinheiro para a Fomento, a prefeitura repassa diretamente o potencial para a Fomento vender. Apenas isso”, completou Pereira.

As últimas avaliações apontam que o potencial construtivo renderia cerca de R$ 150 milhões da dívida da Arena. Entretanto, o Furacão ainda espera que o poder público aumente sua participação na conta do estádio.

O clube defende que o acordo tripartite seja considerado pelo orçamento final do Joaquim Américo, de R$ 354 milhões, e não do inicial, de R$ 184 milhões.