O Atlético estragou a festa dos anfitriões na Venezuela. Em uma partida consistente, o Furacão bateu o Caracas por 2×0 em compromisso válido pelas oitavas de final da Copa Sul-Americana. Sem vencer fora de casa no Campeonato Brasileiro desde que a competição começou, o Rubro-Negro, aparentemente, não tem tido o mesmo problema quando se trata do torneio internacional. Na fase anterior, o time já havia aplicado 4×1 no Peñarol no Estádio Campeón del Siglo.

+ Leia mais: Ex-jogadores de Atlético e Coritiba se destacam na Liga dos Campeões

A disputa na Venezuela teve, certamente, um nome: Raphael Veiga. O meia foi frio e objetivo quando as oportunidades de marcar surgiram e construiu o placar, balançando as redes duas vezes. Mais acostumado a ser o articulador das jogadas ofensivas, ele fez as vezes de artilheiro e, oportunista, aproveitou a bobeada de Marcinho na jogada que originou o primeiro gol.

+ Também na Tribuna: Briga entre Atlético e Prefeitura pela Arena já dura quatro anos

Com visão de jogo afinada, Jonathan lançou a bola na área e Pablo ajeitou de peito pra Marcinho, que chutou torto. Atento ao lance, Veiga não desperdiçou. O tento saiu já no finalzinho do primeiro tempo e serviu para dar ainda mais confiança ao time para os 45 minutos finais. Curiosamente, foi ele que abriu o caminho da vitória no último compromisso da equipe no Brasileirão, nos 3×1 contra o Fluminense, na Arena.

Diante de um adversário apenas esforçado e na frente no marcador, a estratégia do Atlético foi apostar nos contra-ataques pra tentar ampliar a vantagem e facilitar a vida para o jogo de volta. Com a entrada de Marcelo Cirino no lugar de Nikão, depois de umlongo período do atacante no estaleiro, o Furacão ficou ainda mais eficiente na exploração dos espaços deixados pelo adversário.

E foi justamente numa roubada de bola de Cirino que pintou o segundo gol. Ele saiu em velocidade e encontrou Pablo, que chutou em cima do goleiro, no tipo de lance que não costuma perder. Mas, no rebote, mais uma vez Raphael Veiga apareceu e não desperdiçou: 2×0.

Na reta final de jogo, com o adversário já visivelmente entregue, o Furacão ainda teve pelo menos duas chances de marcar, com Rony e Pablo. Mas aí, a estrela do goleiro Herrera brilhou e ele evitou que a derrota em Caracas se transformasse em goleada.

Com o resultado, o Atlético pode até perder por um gol de diferença pra carimbar o passaporte pras quartas de final. Mas levando-se em conta o poderio do Furacão na Arena da Baixada, o Caracas tem uma senhora pedreira no dia 3 de outubro, em Curitiba.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do trio de ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!