Último time do trio de ferro a se reapresentar, o Atlético segue desde quinta-feira em um trabalho intensivo no CT do Caju, de olho na estreia no Campeonato Paranaense contra o Rio Branco, dia 29, às 17h, em Paranaguá. Já na sequência, no dia 1º, o Furacão tem pela frente a estreia na Libertadores, contra o Millonarios, da Colômbia, às 21h45, na Arena da Baixada. Mais adiante o Rubro-Negro entra na disputa da Copa do Brasil e do Brasileirão.

Com o calendário cheio, a comissão técnica se esmera para submeter o elenco a uma preparação intensa, com atividades em dois períodos, ora com treinamentos físicos, ora com treinos técnicos.

“A fase inicial de treinos é importante para os jogadores, pois é neste prazo em que os atletas vão construir suas bases físicas para as competições em que atuarão”, diz o preparador físico Marcio Henriques.

A despeito da necessidade de aprimoramento físico, os atletas do Rubro-Negro já tiveram o primeiro contato com bola na temporada na útlima sexta-feira, com ênfase na readaptação técnica do grupo.

“Procuramos aliar as partes física e técnica o máximo possível. Para estimular, buscamos retomar os trabalhos com bola rapidamente. A partir disso, já podemos iniciar os conceitos táticos almejados para o ano”. Vale lembrar que além do elenco remanescente, o comando técnico precisa afinar o entrosamento com os novos contratados: o lateral-direito Jonathan, os meias Felipe Gedoz  e Carlos Alberto e os atacantes Grafite e Luís Henrique.

O preparador físico aposta em uma readaptação rápida dos jogadores, uma fez que apesar de a reapresentação ter sido apenas na semana passada, os trabalhos, na prática, começaram antes das férias. “Antes do recesso, estruturamos um treino para o período em que ficaram parados. Com isso, a readaptação dos jogadores é mais rápida”, garante.