Com a saída de Esteban Pavez, que pediu para ser negociado com o Colo-Colo, o Atlético agora se vê carente de volantes, um setor com poucas opções no elenco. Se antes, com Fernando Diniz, o time do Furacão não tinha essa ’função’ em campo, com Tiago Nunes ela vinha sendo exercida justamente pelo chileno, que não tem um substituto com as mesmas características.

Atualmente, para a posição, o Rubro-Negro conta com Bruno Guimarães, Lucho González, Matheus Rossetto e Camacho. Só que todos eles tem mais um perfil de toque de bola e construção de jogadas, não de marcador, um ’cão de guarda’ da defesa. Tanto que Rossetto vinha atuando como ala pela direita e Lucho e Camacho fechavam o meio-campo, mas formando uma linha de quatro, juntamente com os dois laterais. Outras peças que atuaram por ali este ano pelo Rubro-Negro foram Deivid e Pierre, que já não fazem mais parte do elenco.

A diretoria já se mobiliza para trazer um jogador para a posição e quem está mais perto é Wellington, que pertence ao Vasco e já tem uma proposta. Mas, caso aconteça um acordo, ele só chegaria na semana que vem e não estaria à disposição para pegar o Cruzeiro.

Desta forma, o treinador terá que se virar com as peças que tem à disposição. Neste ponto, quem larga na frente é Bruno Guimarães. Apesar de ele ser um segundo volante, tendo, inclusive, como principais qualidades o passe e a construção das jogadas, já atuou como zagueiro com Diniz.

No time principal esse ano, o jogador disputou, no total, 12 partidas, sendo que em três delas atuou na defesa. O objetivo do ex-treinador era qualificar a saída de bola do campo defensivo, mas obrigava que o atleta também marcasse.

Lucho González também pode jogar como primeiro volante, mas tem outro perfil. Foto: Albari Rosa
Lucho González também pode jogar como primeiro volante, mas tem outro perfil. Foto: Albari Rosa

Nem mesmo no elenco de aspirantes o Furacão tem um jogador no estilo Pavez. Quem mais se aproxima são Sananduva, que foi titular da equipe nas duas partidas do Brasileirão da categoria, justamente nessa posição, e Guilherme Rend, que é reserva e praticamente não foi utilizado.

LEIA TAMBÉM: Petraglia falou que ia se afastar do futebol, mas segue mandando

Porém, faltando pouco mais de uma semana para a partida contra o Cruzeiro, pela volta das oitavas de final da Copa do Brasil, o principal problema de puxar um dos garotos seria o entrosamento.

Uma outra situação seria colocar o veterano Lucho González por ali. Mas sempre que o argentino fez a função de primeiro volante ficou travado, por já não ter mais a mesma velocidade e chegar atrasado nas divididas, acabando por levar o cartão amarelo e dificultar ainda mais a marcação.

Com isso, a tendência é que, se Tiago Nunes mantiver o 4-2-3-1 como formação tática, Bruno Guimarães ocupe a posição e ganhe a oportunidade de, enfim, se firmar entre os titulares do time principal rubro-negro.