Faltando cinco rodadas para o fim do Campeonato Brasileiro, o Atlético tem pela frente quatro adversários que lutam para fugir do rebaixamento e um que ainda acredita no título. Em busca do G6 para garantir uma vaga na disputa da Libertadores, os confrontos vão decidir ‘a vida‘ do Rubro-Negro na próxima temporada e também o futuro do próprio Brasileirão. Por isso, o Furacão, que tem 46 pontos e é o sétimo colocado na classificação, terá que se dar bem diante da turma da parte de baixo da tabela.

+ Leia também: Em fase artilheira, Veiga divide méritos com todo o elenco

Começando contra o Vasco nesta quarta-feira (14), em São Januário. Depois, vai a Salvador para encarar o Vitória e na sequência recebe o Corinthians na Arena da Baixada e duela com o Ceará, mais uma vez em casa, fechando a disputa contra o Flamengo, no Rio de Janeiro.

O atacante Marcelo Cirino, que marcou o primeiro gol atleticano na vitória em cima do Cruzeiro, por 2×0, no último sábado (10), destacou que ainda que os próximos quatro adversários estejam em situação crítica no Brasileirão, serão confrontos complicados.

+ Mais na Tribuna: Furacão se aproxima da zona da Libertadores

“A gente tem que entrar focado e ligado. Passamos por isso neste campeonato, enfrentando equipes que estavam na nossa frente, e conseguimos vencer. Então não podemos achar que será fácil”, explicou o jogador.

O meia Raphael Veiga, autor do segundo gol diante da Raposa, fez coro ao discurso e ressaltou que nesta reta final, os times que lutam contra a degola não serão ‘presas fáceis’

Saiba mais: Atlético aposta na intensidade na reta final da temporada

“O Vasco não está em uma fase tão boa, mas já passamos este ano por esta situação. E neste jogos eles acabam criando uma mobilização que cria dificuldades para qualquer time. O futebol está muito nivelado. O time deles vai vir com tudo e não podemos nos acomodar com a nossa fase”, destacou.

Além de ter ‘vida dura‘ diante de times que querem evitar a degola, o Atlético terá que superar outra dificuldade. O time não venceu um jogo sequer longe da Baixada neste Brasileirão. Foram seis empates e dez derrotas como visitante até aqui, mas o elenco está disposto a, finalmente, quebrar esse tabu.

“Agora serão duas partidas fora de casa, que serão muito difíceis. Precisamos estar concentrados para vencer também longe de Curitiba”, disse Cirino.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do Trio de Ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!