O Atlético viu uma das suas grandes revelações recentes ir embora de graça. O Estoril, de Portugal, anunciou na última terça-feira (17) a contratação do meia Marcos Bahia, destaque da seleção brasileira no Mundial sub-17 de 2017, realizado na Índia.

Sem contrato profissional com o Furacão, o jogador, que completou 18 anos no mês passado, acabou saindo sem que o clube ganhasse um centavo. Tudo por conta de uma briga entre o presidente do Conselho Deliberativo do Rubro-Negro, Mario Celso Petraglia, e um dos agentes do atleta.

Petraglia criticou Bruno Paiva, um dos sócios da OTB Sports. A empresa é a mesma que agencia o técnico Clarence Seedorf, cuja negociação com o Atlético, que durou várias semanas, entre o final de 2017 e o início de 2018, acabou fracassando.

O cartola afirmou que Paiva estaria “agindo para impedir a profissionalização do garoto”. A crítica de Petraglia ainda dizia que o empresário estaria influenciando Bahia a esperar completar 18 anos para deixar o Furacão por um baixo valor de mercado. A empresa chegou a retrucar a nota oficial, chamando Petraglia de “gagá”.

No meio desse imbróglio, Marcos Bahia estava sem jogar desde outubro do ano passado. Como não tinha contrato com o clube, foi cortado da Copa São Paulo de Futebol Júnior desse ano. O vínculo de formação foi encerrado no último dia 13 de junho, quando o atleta completou 18 anos.

Alheio de toda a confusão, o atleta comemorou a oportunidade de atuar no futebol europeu. “Os estorilistas podem esperar um atleta muito comprometido, vou dar sempre o meu melhor em campo para ajudar a equipe. O meu objetivo aqui é ganhar títulos e ajudar o Estoril Praia. Estou muito feliz por vestir a camisa do Estoril Praia, espero ajudar o clube da melhor forma”, disse ele, em entrevista ao site oficial do clube português.