Definidas as três chapas e seus representantes, as eleições do Atlético devem movimentar o clube até o dia 12 de dezembro, quando acontece o pleito que vai definir o grupo que vai comandar o clube a partir do ano que vem. A chapa CAPGigante, da situação, tem como líder o presidente Mário Celso Petraglia, que promete fazer a partir do ano que vem o que deveria ter feito nos últimos anos.

Anteontem, Petraglia confirmou que não disputará a reeleição, saindo candidato ao conselho deliberativo. No lançamento da chapa CAPGigante, o médico Luiz Sallim Emed foi apresentado como candidato á presidência – e boa parte das promessas de campanha divulgadas já deveriam ter sido cumpridas pela atual gestão do Furacão. Pelo menos eram as promessas da eleição passada.

Melhorar o relacionamento com a imprensa, que é considerada inimiga do clube pela atual gestão, e reformular o plano de sócios, tornando-o mais compatível a realidade do torcedor, foram as novidades apresentadas pela CAPGigante (ver quadro ao lado). E Petraglia prometeu ser campeão do mundo até 2014, mudando a promessa já feita em 2011.

Na briga

Quem promete entrar forte na briga pela presidência do Atlético é a chapa Atlético de Novo, que tem como candidatos João Alfredo Costa Filho ao conselho administrativo e Henrique Gaede ao deliberativo. A chapa promete acabar com o regime presidencialista que comanda o clube atualmente, formando um conselho gestor para tomar as decisões do clube em colegiado. Esta ala de oposição pretende reaproximar o clube com o torcedor, fazer plano de sócios mais atrativos e mais baratos, além de dar uma atenção especial ao futebol do clube, que está carente de conquistas e títulos há alguns anos.

Prioridade pro futebol

A terceira ala que vai disputar o pleito é a chapa Democracia Coração Atleticano, que tem como candidato o empresário Nadim Andraus. O grande diferencial do grupo é dar prioridade total ao futebol e trazer, sobretudo, o povo atleticano de volta para a Arena.

A exemplo das outras chapas, a Democracia Coração Atleticano pretende tornar os planos de sócios e os ingressos mais acessíveis aos torcedores que têm renda mais baixa. Andraus quer voltar a ver a Arena lotada e colorida. Pretende, assim, pintar as cadeiras (do cinza para as cores do clube) e dar um apoio maior à torcida organizada – de onde, segundo o grupo, virá grande parte dos seus votos no pleito.

Críticas às propostas da situação

Última chapa a ser lançada e a apresentar as suas propostas de campanha, a CAPGigante, da situação e liderada por Mário Celso Petraglia e por Luiz Sallim Emed, foi alvo de críticas da chapa de oposição Atlético de Novo. O advogado Henrique Gaede, que é um dos líderes desta ala oposicionista, afirmou que as propostas apresentadas pela atual gestão são semelhantes a da sua chapa e que isso mostra a falta de identidade do grupo da situação para o pleito que acontece no dia 12 do mês que vem.

“Fiquei surpreso com as propostas que eles apresentaram. São muito parecidas com as nossas, com exceção da grama sintética. Eles precisam definir se são oposição ou situação. Nos causou surpresa por esse ponto. Não dá para acreditar nas propostas que foram colocadas na pauta. É apenas com intuito eleitoral. Aquilo que a gente vem criticando e eles tinham a oportunidade de ter feito, estão reavivando na época de campanha”, disse Gaede.

Para o advogado, a atual gestão do clube poderia ter feito muitas das propostas divulgadas durante os últimos anos e que isso não passa de promessas de eleição. ‘Quem quer mudança não pode votar na chapa da situação. Seria temerário acreditar novamente naquilo que houve desprezo da atual diretoria. É muita coincidência neste momento a gente ouvir propostas dessa natureza”, enfatizou.

Gaede, por fim, fr,isou que em tão pouco tempo, não há como acreditar em mudanças tão radicais da atual diretoria para que o rumo do clube possa mudar em uma nova gestão, a partir do ano que vem. “Ele (Petraglia) falou em uma ocasião que quem acredita em mudanças de pessoas são as transportadoras. Essa frase que ele falou no meio do ano serve para agora. A gente não acredita que possa ter uma mudança tão radical”, concluiu Gaede.

Urnas

Prevista para o dia 12 de dezembro (um sábado, dia de show na Arena da Baixada), a eleição no Atlético utilizará urnas eletrônicas. O clube solicitou o empréstimo do equipamento ao Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR) e teve o pedido deferido pelo órgão. Será a primeira vez que um clube de futebol do estado terá o recurso no pleito. Em 2011, o Furacão já havia tentado, mas como não foi atendido, teve de fazer a votação manual, com o preenchimento das cédulas e contagem voto a voto. O colégio eleitoral rubro-negro possui atualmente 10.238 votos. Número que pode mudar com o fechamento da mensalidade de novembro, no final do mês. Caso o associado não pague, perde o direito de ir às urnas. Por conta do evento sertanejo, a votação deverá ocorrer no CT do Caju.

Bastidores

Durante o jantar de lançamento da chapa CAPGigante, houve momentos de cobranças ao poder público municipal, e elogios ao estadual. Na mesa de Petraglia estava presente o deputado Luís Cláudio Romanelli, líder do governo na Assembleia Legislativa.