Chegou a hora de acabar com o jejum. São sete jogos sem vitória, cinco pelo Campeonato Brasileiro, mais as dolorosas derrotas na Copa do Brasil e na Libertadores. Para aplacar a tristeza da torcida, o Atlético só tem um caminho – vencer a Ponte Preta neste domingo (23), às 19h, na Arena da Baixada. E a receita da vitória é fazer do Caldeirão de novo um palco temido pelos adversários.

Neste Brasileirão, o estádio do Furacão não vem sendo uma arma como em temporadas anteriores. Ao contrário do que muitos jornalistas de Rio e São Paulo afirmaram (e tais afirmações foram base para a decisão da CBF em obrigar o clube a trocar o gramado em 2018), o Atlético sempre foi forte dentro de casa. Ano passado, com o piso artificial, foi o melhor mandante, mas não teve o melhor aproveitamento histórico dentro da Baixada.

Só que 2017 vem sendo muito diferente. Na Libertadores, as partidas mais importantes, as vitórias mais consagradoras, todas foram conseguidas fora de casa – as duas classificações na fase preliminar, as vitórias sobre San Lorenzo e Universidad Católica na fase de grupos. No Paranaense, o título fugiu numa derrota para o rival Coritiba na Arena por 3×0. E neste Brasileiro, em sete jogos foram duas vitórias, dois empates e três derrotas, marcando seis gols (quatro em um jogo só) e sofrendo oito. Um aproveitamento de apenas 38,1%.

O problema é complexo. Passa pela falta de constância na escalação, segue na má fase técnica de alguns jogadores e termina no que talvez seja mais importante – a falta de confiança. “A gente sempre foi forte, tem características muito fortes principalmente em casa tanto que há pouco tempo atrás a meta era melhor justamente fora de casa. Agora, temos conquistado bons resultados fora de casa e precisamos melhorar em casa”, diz o meia Guilherme, que deverá ser titular diante da Ponte.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro!

O meio-campista é uma das esperanças de um jogo tecnicamente melhor do Atlético, ainda mais numa forma de jogar que privilegia a posse de bola – mas que contra o Botafogo mostrou que falta muita criatividade ao time, que de novo enfrentará uma retranca. Vindo de uma grave lesão na coluna, Guilherme garante estar bem para ser titular, mesmo sem ter a certeza de que irá jogar. “Sobre a minha presença desde início ainda não posso confirmar. Não sei qual a avaliação sobre meu retorno. Eu me sinto bem”, garantiu.

Ele entraria na vaga de Lucho González, que está suspenso. Outro fora pelo terceiro cartão amarelo é Otávio – e seu companheiro na marcação, Eduardo Henrique, foi vetado pelo departamento médico. Jonathan também, por conta da lesão na coxa que sentiu na partida da quarta-feira (19). Com tantas mudanças, a preocupação da torcida aumenta, ainda mais vendo o Atlético perto da zona de rebaixamento. Mas Guilherme está tranquilo. “Não vejo nada de tão preocupante que não possa ser resolvido a curto prazo. Essa melhoria está nas nossas mãos”, finalizou.

Ficha técnica

BRASILEIRÃO
1º Turno – 16ª Rodada

ATLÉTICO x PONTE PRETA

Atlético
Weverton; Gustavo Cascardo, Thiago Heleno, Paulo André e Sidcley; Bruno Guimarães, Matheus Rossetto, Matheus Anjos (Douglas Coutinho), Guilherme e Nikão; Pablo (Ribamar).
Técnico: Fabiano Soares

Ponte Preta
Aranha; Jeferson, Marllon, Rodrigo e Danilo Barcelos; Naldo, Elton, Léo Artur, Maranhão e Claudinho; Lucca (Renato Cajá).
Técnico: Gilson Kleina

Local: Arena da Baixada
Horário: 19h
Árbitro: Pablo dos Santos Alves (PB)
Assistentes: Oberto da Silva Santos (PB) e Kildenn Tadeu Morais de Lucena (PB)