Inaugurado no final de agosto durante a reunião do Conselho Deliberativo do Atlético, o ginásio de grama sintética do CT do Caju já está em perfeitas condições de uso pelo time atleticano. Com a mesma tecnologia do gramado artificial utilizado na Arena da Baixada, o clube modernizou ainda mais seu centro de treinamentos e possibilitará que, principalmente nos dias de chuva, que seu elenco principal não precise deixar o local para treinar e mantenha a adaptação com o grama do Joaquim Américo.

“Aquela quadra lá, o principal objetivo é que importante ter uma quadra coberta porque em Curitiba chove muito. Aí eles podem fazer treinamentos com maior qualidade. Então, esse foi o objetivo. Ao invés de colocar grama natural, a gente colocou grama sintética para poder ficar mais compatível ao gramado do estádio também. A decisão de fazer um ginásio para treinamento foi principalmente pelas condições climáticas e colocamos com o mesmo material da Arena de acordo com a negociação que a gente fez com a empresa que fez no estádio. Isso também foi uma estratégia”, explicou o presidente atleticano, Luiz Sallim Emed, em entrevista à Tribuna.

Com o ginásio de grama sintética, o CT do Caju, que é reconhecido como um dos mais modernos do futebol brasileiro e sul-americano, agora está completo segundo o mandatário atleticano. “Agora está completo com relação a infraestrutura e questões de treinamentos. Sempre surgem novas tecnologias e a gente está sempre investindo. Lá ficou toda a infraestrutura física para testes, com esteiras e sempre vai surgindo uma necessidade tecnológica”, acrescentou Emed.

Apesar da cobrança do torcedor atleticano para que o clube invista mais no futebol, o presidente rubro-negro destacou que esse investimento na infraestrutura do Atlético, como a reforma da Arena e a construção, agora, deste ginásio de grama sintética, fazem parte do planejamento para o crescimento do Furacão a média e longo prazo. Segundo ele, graças a essa estrutura oferecida pelo Rubro-Negro é que foi possível a contratação do experiente meia argentino Lucho Gonzalez.

“Um exemplo disso é essa contratação que fizemos do Lucho Gonzalez. A Rádio Grenal, de Porto Alegre, me perguntou como conseguimos e falei que é graças a esse trabalho que está sendo feito. As vezes os atletas já tem uma vida financeira mais estável e que vir para um lugar onde ele tenha tranquilidade, uma infraestrutura e o compromisso que ali ele será bem tratado, com todas as condições de desenvolver o trabalho dele da melhor maneira possível”, declarou.

Com a sua estrutura física, tanto do estádio, quanto do CT do Caju cada vez mais perto do Ideal, Luiz Sallim Emed, que já conseguiu fazer do Atlético novamente o campeão paranaense deste ano, prevê maior investimento no futebol a partir do ano que vem. O mandatário ressaltou, no entanto, a necessidade do clube contar com um quadro associativo maior e não de apenas 20 mil torcedores, como é atualmente.

“Tem que tirar da cabeça isso que a gente investe em infraestrutura e não em futebol. Não é isso. O que precisamos é ter uma estrutura pronta e uma qualificação melhor. Mas para você ter um time competitivo como a gente tem, recebendo um terço do que os grandes clubes recebem, é preciso transformar essa grande que o Atlético tem de fora para do campo. Trazendo mais sócios, divulgado todo o trabalho que está sendo feito. Esse ano conseguimos manter nossos principais talentos, isso também é investimento, mas a partir dos próximos anos, a gente tem que investir mais no futebol. Temos que ter tranquilidade e raciocínio para poder ter toda essa infraestrutura para que, daí, a gente consiga ter jogadores de maior talento”, finalizou Emed.