As recentes declarações do presidente do Atlético, Mário Celso Petraglia, desvalorizando a torcida atleticana na conquista do patrimônio do clube nos últimos anos que, segundo ele, já vale R$ 1 bilhão, iniciou o clima de disputa para as eleições do Furacão, que acontecem no final deste ano. A oposição, ao se pronunciar sobre o fato, além de defender a importância do torcedor rubro-negro, já mandou o recado que promete vir forte para o pleito.

De acordo com os idealizadores da chapa oposicionista que concorrerá as eleições, está havendo uma adesão muito grande, sobretudo de torcedores e conselheiros que estão insatisfeitos com a atual gestão do mandatário atleticano. O site Movimento Atleticano foi criado para estreitar o relacionamento com o torcedor que, segundo os opositores, querem um Atlético diferente a partir do próximo mandato.

“Está sendo muito bem aceita e está acima da expectativa essa aceitação. Estamos tendo um retorno interessante com o site. Rebatemos as declarações do atual presidente sem nenhuma agressão e fomos parabenizados por isso. E assim vai acontecer. A oposição não vai agredir, não vai jogar sujo, vai apenas fazer o debate de ideias de projetos futuros”, garantiu João Alfredo Costa Filho, que foi vice-presidente do clube durante a gestão de Mário Celso Petraglia.

Apesar de ser oposição e de concorrer às eleições do Atlético, há um reconhecimento grande por parte dos opositores do bem que Mário Celso Petraglia fez ao clube, sobretudo quanto a ampliação do patrimônio do Furacão. “Sabemos reconhecer que o atual presidente tem uma página de coisas boas dentro do clube, mas também tem uma página de erros”, emendou.

Arena

Se a chapa de oposição conseguir fazer frente ao grupo liderado por Mário Celso Petraglia e vencer as eleições, um dos desafios será abrir a caixa preta do clube e, principalmente conseguir sanar as dúvidas do convênio tripartite assinado junto com a Prefeitura de Curitiba e o Governo do Estado para a reforma e ampliação da Arena da Baixada. “Vamos buscar dialogar com todos os credores e também com a Prefeitura e com o Governo, sem atacar ninguém”, garantiu Costa Filho.

Gestão

A chapa de oposição que vai concorrer as eleições do Atlético ainda não tem o nome definido de quem será o presidente. Porém, já há uma definição de um modelo de gestão que será implantado no clube caso os opositores vençam o pleito. Além do presidente, haverá um grupo gestor formado por cinco a sete pessoas que vão deliberar todas as áreas relacionadas ao clube.