Dono da terceira melhor campanha como mandante no Campeonato Brasileiro, o Atlético, neste segundo turno, se ainda quiser brigar pelo G4, terá que melhorar seu rendimento nos jogos longe de Curitiba. O time atleticano, pelo menos nos números, se mostra frágil atuando fora de casa e, neste Brasileirão, ao contrário do que acontece nas partidas realizadas na Arena, tem um dos piores rendimentos como visitante.

Desde que assumiu o Rubro-Negro, ainda no Campeonato Paranaense, o técnico Paulo Autuori sempre cobrou a mesma forma de atuar nas partidas na Arena da Baixada ou fora de casa. Mas o grupo atleticano, pelo menos nos números, provou que não seguiu à risca o desejo do comandante e, se não fosse o seu péssimo rendimento longe da torcida, o Furacão poderia, facilmente, estar brigando mais diretamente pelo G4.

Nos 11 jogos realizados fora de casa na competição, o Atlético conquistou apenas duas vitórias (contra São Paulo e Cruzeiro), empatou uma vez e saiu derrotado em outras oito oportunidades, totalizando aproveitamento de somente 21%. Nestes jogos, foram apenas oito gols marcados e 16 sofridos. Dos 11 compromissos como visitante, o Furacão não conseguiu marcar gols em sete, provando assim, uma falta de eficiência ofensiva.

O que ainda dá esperanças ao Atlético de brigar por uma vaga na Libertadores do ano que vem, é o grande rendimento do clube nas partidas realizadas na Arena da Baixada. Nos 11 jogos realizados como mandante, o Rubro-Negro venceu oito, empatou dois e perdeu apenas um, justamente para o Palmeiras, atual líder do Brasileirão. O rendimento do Furacão em casa é de 78%.

Apesar de toda essa dificuldade nos jogos realizados fora, o Furacão tem 33 pontos e ocupa a oitava colocação na classificação, somente quatro pontos atrás do Corinthians, quarto colocado. Assim, o zagueiro Paulo André acredita que o Furacão vai chegar na reta final brigando na parte de cima da classificação.

“Chegar às últimas dez rodadas com a equipe próxima desta disputa é importante. Na reta final, podemos fazer a diferença usando o fator casa e a chegada desses novos jogadores. Vamos lutar até o fim para terminar entre os quatro primeiros”, arrematou o defensor atleticano.