Não é novidade para ninguém que, a cada início de temporada, a maioria dos grandes clubes brasileiros sofre com a falta de público nos seus estádios, principalmente pela falta de atrativos dos campeonatos estaduais.

O Atlético, que vem acumulando nos últimos tempos brigas e divergências com a principal torcida organizada do clube, divulgou um levantamento comparativo desde que a Arena da Baixada foi inaugurada para explicar a queda de público neste começo de temporada. Atualmente, no Estadual, o Furacão levou em média 5.716 torcedores por partida.

No entanto, os números provam que, desde 1999, o Atlético conseguiu registrar médias de público superiores na disputa do Campeonato Paranaense. O Furacão levou em média menos torcida aos jogos do Estadual nas edições do torneio de 2002, 2003, 2005 e 2007. Em todos os outros anos em que jogou no Joaquim Américo, o clube conseguiu registrar boa presença de público.

Assim, cai por terra a justificativa de que o Atlético, no últimos 19 anos, nunca conseguiu atrair grandes públicos em jogos pelo Estadual. Em 2000, por exemplo, no primeiro Paranaense que o Furacão atuou no novo Joaquim Américo, o clube registrou média de 10.255 torcedores por jogo. No ano seguinte, a média foi de 9.981.

Nos últimos dez anos, a média de público registrada até agora pelo Atlético no Campeonato Paranaense é a pior. No ano passado, por exemplo, o público médio do Furacão no Estadual atingiu a marca de 12.863 torcedores por partida. Já em 2016 a média foi ainda melhor, com a presença de 15.466 pessoas por jogo.

Treta

Desde a metade do Campeonato Brasileiro do ano passado, ficou escancarada a rixa entre a atual diretoria do Atlético, liderada por Mario Celso Petraglia, e a torcida organizada Os Fanáticos. A facção optou, então, por ficar fora da Arena da Baixada em muitos jogos e, o caldeirão rubro-negro, tão temido por todos os adversários, perdeu a graça, a cor e ficou mais silencioso.

Se somar os dois jogos que o Atlético realizou pela Copa do Brasil diante de Tubarão e Ceará, a média de público melhora um pouco, mas não muito. Com mais esses dois jogos, o Furacão consegue registrar a presença de apenas 6.396 torcedores por jogo nesta temporada. Número muito abaixo do esperado e que reflete a atual situação entre diretoria e torcida, sobretudo pelas imposições que não são bem vistas por toda a torcida atleticana.

O Atlético divulgou ainda a média de público de jogos realizados na Arena da Baixada desde a sua inauguração, em 1999. Foram, ao todo, 527 partidas realizadas no Joaquim Américo com a presença média de 12.491 torcedores por jogo. Ou seja, a média de público atual do Furacão em 2018 é exatamente a metade registrada em duelos no caldeirão desde 1999.

Ingresso

O levantamento do Atlético tenta também justificar que os ingressos mais caros aplicados nos últimos anos não está refletindo na ausência de torcida na Arena da Baixada. O clube explica que em 2003, por exemplo, o preço médio do bilhete era de R$ 15,00 e a média de público no Campeonato Paranaense foi de 3.057 torcedores por partida.