O empate em 1×1 entre Toledo e Atlético, no Oeste do Estado, na última quarta-feira (21), gerou grande repercussão. Com um lance polêmico de pênalti apitado pelo árbitro Paulo Roberto Alves Júnior, o Furacão conseguiu o resultado igual, que acabou tirando o Porco da semifinal da Taça Caio Júnior. No lance, Ederson foi puxado por Filipe, mas o lance aconteceu fora da área, o que gerou a revolta do time do interior (confira acima o lance, com imagens da RPC).

O presidente do Toledo, Carlos Dulaba, estava indignado nesta quinta-feira (22) e afirmou à Tribuna do Paraná que entrou com um pedido de explicação à Comissão de Arbitragem da Federação Paranaense de Futebol (FPF) em relação à atuação não apenas do árbitro, mas também do assistente Ivan Carlos Bohn.

“O árbitro estava no meio do campo e o bandeira não estava na linha do lance. O puxão no atleta do Atlético foi antes de entrar na área”, garantiu o dirigente.

Ele também pediu que a FPF não indique mais o nome de Alves Júnior para jogos do time. “Em uma lance muito semelhante, entre Atlético e Cascavel, o Rubro-Negro levou a melhor, já que o mesmo árbitro não assinalou o pênalti em cima do Cascavel”.

A revolta do dirigente é consequência da quebra do planejamento do time, que ainda tinha esperança de conquistar uma vaga na Série D do Campeonato Brasileiro e na Copa do Brasil de 2019.

“São trinta atletas prejudicados. Porque poderíamos ter ao menos dois jogos e ter, quem sabe, um calendário nacional”, lamentou Dulaba.

A polêmica da rodada foi nesse lance. O árbitro Rodolpho Toski Marques deu pênalti em Ederson. Foto: Reprodução/RPC
A polêmica da rodada foi nesse lance. O árbitro Paulo Roberto Alves Júnior deu pênalti em Ederson. Foto: Reprodução/RPC

Depois do jogo, o goleiro Diego, do Toledo, partiu para cima do assistente Luiz Carlos Bohn e foi contido pelos companheiros. Na sequência, disparou a metralhadora verbal contra o trio de arbitragem e contra a FPF e disse que foi a maior vergonha que presenciou em 16 anos de carreira no futebol.

“Chegamos até aqui ralando pra caramba para classificar e fomos prejudicados. A Federação tem que fazer assim: antes do campeonato, dizer que só Atlético, Coritiba, Paraná e Londrina podem ser campeões”.

O técnico Paulo Baier, ex-jogador do Furacão, também desabafou na coletiva após a partida. “Vai ficar marcado no início da minha carreira e dá vontade de largar”, afirmou.

As reclamações dos jogadores do Porco renderam as expulsões do próprio Diego, além do lateral-direito Filipe e do atacante Márcio Telê. Na súmula da partida, Paulo Roberto Alves Júnior relatou que Diego falou “Eu vou te pegar, encerro minha carreira hoje, mas vou te arrebentar, seu safado”. Felipe teria dito “Vocês são safados, vieram aqui pra roubar da gente, não têm vergonha, vocês não vão sair daqui hoje”.

Após a partida, alguns objetos foram arremessados pela torcida, o que também foi relatado na súmula. “No momento em que os árbitros adentravam o túnel de acesso ao vestiário, acompanhados pelos policiais com escudos de proteção, foram atiradas pequenas pedras, e copos com líquido em direção à equipe de arbitragem, não causando danos físicos aos árbitros com tais objetos”.

Confira o trecho da súmula sobre a confusão:

sumula toledo x cap