Com a saída de Weverton, o Atlético iniciará 2018 com uma dúvida sobre quem será o seu novo goleiro titular. O novo técnico do Furacão terá duas opções para a função: Santos, que que foi titular na última partida do Campeonato Brasileiro contra o Palmeiras, e Léo, que se destacou no Paraná Clube e foi o reserva. Aos 27 anos, ambos têm para 2018 o maior desafio de suas trajetórias.

Santos é formado na base do Rubro-Negro e só foi titular nos times sub-23 que disputaram o Estadual. O paraibano tem alguns jogos importantes com o profissional, como na reta final da Série B, em 2012, contra o Criciúma, que foi fundamental no acesso, e em 2016, quando foi titular contra o Corinthians, na Arena da Baixada, quando ficou marcado por uma das defesas mais bonitas da temporada.

Além de ter sido titular do time alternativo que disputou a maioria dos jogos do Campeonato Paranaense neste ano. As maiores chances vieram quando Weverton foi convocado para a seleção brasileira.

Já Léo veio do Paraná Clube, onde se destacou nas campanhas do Campeonato Paranaense, da Primeira Liga e da Copa do Brasil desse ano. Na primeira grande chance da carreira, o jogador revelado pelo São Paulo, atuou em 24 partidas e sofreu apenas nove gols.

Porém, ele está sem jogar desde maio, quando sofreu uma fratura no rosto, na derrota por 2×0 para o Atlético-MG, em Belo Horizonte, pela Copa do Brasil. Inclusive, o acerto com o Atlético foi durante o tratamento do jogador, que já está recuperado e figurou em algumas partidas no banco de reservas no Campeonato Brasileiro.

No entanto, a missão do escolhido não será nada simples. Afinal, Weverton é um dos nomes mais importantes da história recente do Atlético. Titular do time desde 2012, tem no currículo 318 jogos, um título paranaense, duas classificações para Libertadores, uma final de Copa do Brasil e o titulo olímpico pela seleção como jogador atleticano.

Nesse momento, a definição do novo titular é uma grande interrogação. O clube vai passar por mudanças na gestão executiva e no comando técnico. É neste cenário que Léo e Santos encaram este grande desafio de suas carreiras, que até o momento foi construído em boa parte no banco de reservas.