O Junior Barranquilla já incorporou o espírito de decisão. Na quarta-feira (12), a partir das 21h45, os colombianos encaram o Atlético, na Arena da Baixada, pela grande final da Sul-Americana e o clima na equipe é de concentração total. Na tarde desta segunda-feira (10), o time colombiano realizou, no CT do Caju, sua penúltima atividade antes da finalíssima. E para quem pensou que os jogadores descansariam para a decisão, se enganou.

As atividades foram exaustivas e demoraram mais de duas horas entre aquecimento, treino de jogadas e, principalmente, cobranças de pênalti. Todo o esforço vale a pena, afinal, o time tem pela frente o jogo mais importante do ano, ou, talvez, da história do clube.

No jogo de ida, o placar ficou em 1×1, portanto uma vitória simples garante a taça para qualquer um dos lados. Empate leva o jogo pra prorrogação e se persistir o placar igualado, a definição vai para as penalidades. Sabendo das dificuldades que vai encontrar jogando na casa dos adversários, com o estádio lotado, o Junior vai em busca de um título inédito nos 94 anos do time de Barranquilla.

O técnico uruguaio Julio Comesaña disse estar preparado para qualquer situação de jogo, inclusive, no caso de decisão com cobranças de penalidades.

“Quando precisamos decidir nos pênaltis contra o Defensa y Justicia ganhamos, contra Lanús em casa, também. Se tivermos que definir nos pênaltis, vamos definir”, garantiu.

+ Mais na Tribuna: Com Pablo e visita surpresa, Atlético se prepara pra final

Embalado pela goleada de 4×1 no primeiro jogo da final do Campeonato Colombiano, no último sábado (07), a equipe visitante também vem já, de certa forma, cansada pela sequência de jogos, fator que segundo o meia Jarlan Barrera não será um fator prejudicial.

“Estamos bem. Não pensamos em cansaço neste momento. Nossa cabeça está voltada à conquista do título”, disse.

+ Mais do Furacão: Atleticanos vivem expectativa para “o jogo do ano”

As novidades na equipe devem ser os retornos de Fuentes, na lateral-esquerda, e de Téo Gutierrez no ataque. Ambos não estiveram em campo nos primeiros 90 minutos da decisão, na Colômbia, pois cumpriam suspensão devido ao jogo contra o Santa Fé, na semifinal da competição. Gutierrez é o capitão e artilheiro da equipe e, inclusive, marcou um gol no jogo do último final de semana na disputa nacional. O atacante tem 14 gols na temporada, sendo dois deles na competição continental.

“Sem dúvida um jogador muito importante no esquema da equipe. Téo está bem e vai ajudar a equipe a ganhar do Atlético”, disse o lateral-direito Marlon.

+ Confira: Esquema de trânsito será especial para a final

O time conhecido por seus torcedores como “Los Tiburones” – Os Tubarões – chegou a esta decisão após de ter eliminado os argentinos Lanús, Colón e Defensa Y Justicia, além do rival colombiano Santa Fe. O Rubro-Negro, por sua vez, despachou os argentinos do Newell’s Old Boys, Peñarol, do Uruguai, o venezuelano Caracas, além de Bahia e Fluminense.

Na trajetória dos finalistas, um desempenho regular que credencia as equipes a chegarem à decisão. O time colombiano soma cinco vitórias, dois empates e duas derrotas, enquanto o Furacão tem oito vitórias, duas derrotas e um empate, o melhor aproveitamento do torneio.

+ Vai e vem: Confira TODAS as notícias sobre o mercado da bola!

A imprensa colombiana, presente em bom número no treino, acredita que a pressão de jogar em um estádio lotado não vai atrapalhar o Junior. Manuel Ramirez, jornalista da Rádio Tropical Barranquilla, aposta em um jogo equilibrado, mas com os visitantes atuando sem sentir o peso da final.

“Assim como o Atlético, o Junior não vai sair para buscar o jogo de forma desesperada. Será uma partida de meio de campo. Qualquer descuido de um dos dois pode gerar. Mas o Junior vai estar tranquilo”, analisou.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do Trio de Ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!