O Fluminense terá um trunfo importante para os duelos decisivos da semifinal da Copa Sul-Americana diante do Atlético. O jogo de ida é nesta quarta-feira (7), às 21h45, na Arena da Baixada. O técnico Marcelo Oliveira conhece bem o Furacão. Enfrentou o time quando esteve à frente de Coritiba, em duas oportunidades, Paraná Clube, Cruzeiro, Palmeiras, Atlético-MG e do próprio Fluminense. Foram 20 jogos ao todo. O treinador conseguiu sair vitorioso em sete oportunidades, empatou oito vezes e foi derrotado em outras cinco, totalizando rendimento de 48%.

+ Leia também: Furacão tenta abrir vantagem diante do Fluminense

Os primeiros confrontos de Marcelo Oliveira contra o Furacão foram pelo Campeonato Paranaense de 2010, quando estava comandando o Tricolor. Acabou sofrendo duas derrotas, ambas por 1×0, em confrontos realizados primeiro na Vila Capanema e depois na Arena da Baixada.

Foi pelo Coxa, grande rival do Rubro-Negro, que o treinador mais enfrentou o adversário de logo mais. O retrospecto traz boas recordações. Nos anos de 2011 e 2012, o então comandante coxa-branca conseguiu três vitórias, quatro empates e foi derrotado apenas uma vez.

+ Mais na Tribuna: Petraglia revela que Atlético terá nova identidade

Neste período, ele conseguiu dois títulos estaduais em cima do Atlético. Foi nesta primeira passagem que ele levou o Alviverde a atingir o recorde mundial de vitórias consecutivas no ano de 2011, somando 24 triunfos. No mesmo ano, porém, na única derrota que conheceu diante do Furacão, pela última rodada do Brasileirão, acabou não conseguindo levar o clube para a Libertadores. No ano passado, quando assumiu o Verdão no decorrer do Brasileirão, conseguiu um empate em 1×1 na Arena da Baixada.

Pelo Cruzeiro, Marcelo Oliveira manteve a invencibilidade nos jogos contra o Rubro-Negro. De 2013 a junho de 2015, somou três vitórias e um empate nas partidas contra o Furacão. Enfrentou ainda em 2015 mais duas vezes a equipe atleticana, como comandante o Palmeiras. Acabou perdendo por 1×0, em São Paulo, e empatando em 3×3 dentro da Arena.

+ Veja mais: Petraglia compara Diniz a Guardiola e dispara contra a torcida

Já em 2016, o técnico, então no Atlético-MG, encarou o Atlético duas vezes. Conseguiu um empate em 1×1, na Arena, e acabou vencendo por 1×0 no Independência. No ano passado, conseguiu, pelo Coritiba, um novo empate jogando no Joaquim Américo, quando tentava livrar o Alviverde do rebaixamento à segunda divisão.

Neste ano, Marcelo Oliveira não teve a mesma sorte. Pelo segundo turno do Campeonato Brasileiro, já no comando do Fluminense, perdeu para o Atlético por 3×1 no palco do primeiro jogo da semifinal. Na ocasião, o Furacão abriu vantagem ainda no primeiro tempo com gols de Raphael Veiga e Pablo. Na etapa final, Luciano descontou e Léo Pereira definiu a vitória no Joaquim Américo.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do Trio de Ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!