A classificação à final da Taça Caio Júnior do Campeonato Paranaense veio acompanhada de uma grande atuação do Atlético. Mesmo com certa dificuldade na etapa inicial, mas sobrando no segundo tempo, o Furacão chega com moral para encarar o Londrina, quarta-feira (28), na Arena da Baixada, depois da goleada por 5×0 aplicada sobre o Maringá, na noite de domingo (25), na Arena da Baixada. A apresentação de encher os olhos do torcedor também rendeu elogios do técnico Tiago Nunes.

“Depois de um primeiro tempo difícil, conseguimos construir o placar elástico no segundo tempo com muita qualidade de jogo. Os atletas estão de parabéns por essa conquista da vaga na final importante e que nos faltou no primeiro turno. Estamos prontos para disputar a finalíssima”, apontou o treinador.

A eliminação para o Rio Branco na semifinal do primeiro turno, dentro do Joaquim Américo, serviu, segundo o comandante atleticano, para a equipe amadurecer. O Rubro-Negro, diante do Maringá, entrou vacinado diante das dificuldades do duelo e conseguiu, com méritos, a vaga na decisão da Taça Caio Júnior do Campeonato Paranaense.

“Você tem que aprender nessas dificuldades. A gente sofreu muito com a desclassificação. Fizemos um primeiro turno brilhante e a expectativa nunca foi de ficar fora. Respeitamos muito o Rio Branco, trabalhamos da mesma maneira, mas naquele jogo as coisas não deram certo. Tivemos muitas chances e se tivéssemos feito o primeiro gol, o placar poderia ser tão elástico como o de agora. Entramos muito vacinados, maduros e com essa final que se aproxima, estamos vivendo um momento de intensidade, aproveitando cada jogo e cada treino, para conseguir os objetivos”, finalizou Nunes.

Protesto

A torcida do Atlético, que mais uma vez compareceu em pequeno número no duelo diante do Maringá (pouco mais de 7 mil torcedores), protestou contra o presidente do Conselho Deliberativo do clube, Mário Celso Petraglia. Os xingamentos partiram de parte dos torcedores localizados no local destinado à torcida organizada Os Fanáticos, que mais uma vez não entrou no estádio.

No entanto, desta vez, uma parte do público presente acabou vaiando os protestos contra o mandatário atleticano. Não pela defesa do dirigente em si, mas para não atrapalhar o bom clima no Joaquim Américo, formado diante da boa apresentação do Furacão.