São Paulo – O Brasil brilhou no atletismo dos Jogos Sul-Americanos. A modalidade ganhou 33 medalhas de ouro, 14 de prata e 17 de bronze na competição. Mas a mina de ouro do Brasil está mesmo em Belém. Treze das 19 medalhas douradas conquistadas pelos donos da casa neste terceiro dia de competições saíram desta subsede. Uma foi conquistada na natação sincronizada; as outras 12, no Estádio Olímpico do Pará, onde o atletismo teve o seu último dia de provas. E foi justamente na última prova do programa, o revezamento 4x400m masculino, que os brasileiros chegaram à centésima medalha nestes Jogos Sul-Americanos. No total, o Brasil tem 29 medalhas a mais do que a Venezuela, segunda colocada com 35 de ouro, 20 de prata e 16 de bronze. A Argentina, em terceiro, tem 58 (14, 21 e 23). Com mais um festival de medalhas de ouro no atletismo e no judô, o Brasil disparou na liderança dos VII Jogos Sul-Americanos, ampliando a sua vantagem sobre a Venezuela, que continua em segundo lugar na classificação geral. A Argentina começou a reagir, com bom desempenho no tiro com arco e na canoagem. Deixou para trás o Equador, mas ainda está distante da Venezuela. A novidade no quadro de medalhas é a Bolívia, graças ao bronze conquistado pelo judoca Juan Jose Paz, na categoria meio leve.

Tênis

Começa hoje, a partir das 10 horas, no Clube Espéria, a disputa das categorias masculina e feminina do tênis, em piso de saibro, com atletas de até 18 anos de idade (contando pontos para o ranking mundial júnior da ITF, a International Tennis Federation).