O Conselho de Administração do São Paulo está preocupado com o planejamento do clube para 2018. Para membros do órgão, que se reuniu na noite de segunda-feira, a diretoria precisa agilizar a montagem de uma equipe competitiva e, ao mesmo tempo, equacionar as finanças para garantir que o elenco não sofra baixas por causa de problemas no caixa do clube.

Neste ano, as saídas de peças importantes da equipe no meio do Campeonato Brasileiro, como Luiz Araújo e Thiago Mendes, são apontadas como algumas das razões que explicam o drama do São Paulo no torneio, em que luta para não ser rebaixado. Com 34 pontos, está na 14ª posição, com apenas um ponto a mais do que Sport e Avaí, que abrem a zona da degola.

Há dois tipos de pressão sobre a diretoria quanto ao planejamento do São Paulo para 2018: os que pedem agilidade nas tomadas de decisão para o próximo ano argumentam que o time precisa se preparar para não ter mais uma temporada de sufoco. Por outro lado, muitos veem que o momento ainda é de se preocupar com o risco de queda neste ano.

Fato é que nove jogadores têm contrato até o final deste ano e seguem em situação indefinida quanto à permanência no Morumbi na próxima temporada: Jucilei, Dênis, Lugano, Edimar, Wellington Nem, Denilson, Marcinho, Morato e Gilberto.

Apesar de não haver um posicionamento oficial do clube, a tendência é de que a maior parte deles, sem espaço, não renove o contrato com o São Paulo. Ainda não ocorreram reuniões da diretoria com a comissão técnica sobre possíveis contratações de reforços para 2018.