No confronto direto entre rubro-negros, o baiano levou a melhor. No Barradão, ontem à noite, o Vitória venceu o Atlético por 2 a 1 e acabou com o embalo do Furacão, que buscava o quinto triunfo consecutivo no campeonato e uma ascensão maior na tabela.

O resultado foi justo pelo fraco desempenho do time paranaense que não conseguiu reeditar as apresentações anteriores.  Deu espaço para o adversário jogar e não teve força ofensiva.

A derrota não influenciou na classificação, já que o Atlético permanece na 13.ª posição. Agora o Furacão volta suas forças para o jogo de domingo onde buscará a reabilitação contra o São Paulo, na Arena.

Um jogo ruim de assistir nos primeiros 45 minutos. O Atlético até que começou bem, neutralizando as jogadas do adversário e tentando encaixar seus contra-ataques, principalmente pelo lado direito, com as descidas de Wesley.

E foi dos pés do camisa 8 que nasceu a primeira e única chance do Furacão na etapa inicial. Um chute perigoso de fora da área. O domínio paranaense perdurou somente até os 15 minutos porque depois o Leão equilibrou a partida e começou a criar espaços no sistema defensivo atleticano.

E aos 31, Ramon abriu o placar para o time baiano após boa jogada de Willian que driblou Nei e rolou com inteligência para o arremate certeiro do experiente meia.

O Atlético nem de longe lembrava aquela equipe compenetrada dos últimos  jogos. Marcava razoavelmente, mas não apresentava qualquer movimentação do meio-campo para frente. Zulu foi decepcionante, mais uma vez.

A bola ia para o ataque e voltava no mesmo instante já que o centroavante não conseguia sequer segurar a bola. A fraca apresentação foi ressaltada pelos atletas na saída para o intervalo.

“Não estamos tendo a mesma pegada dos outros jogos. Tem que ter mais vontade”, salientou Chico. “Deixamos o meio-campo deles jogar”, afirmou Márcio Azevedo.

A falta de movimentação também não agradou Antônio Lopes que fez duas substituições no intervalo. Zulu e Marcinho cederam vagas para Pimba e Wallyson. E a sorte sorriu para o “Possesso” logo nos primeiros minutos em campo. Após falha do zagueiro Marco Aurélio, ele roubou a bola e tocou na saída do goleiro Gléguer para empatar.

A igualdade no placar obrigou o Vitória a se lançar para o ataque e o jogo voltou a ficar do jeito que o Atlético gosta. Entretanto, o contra-ataque foi usado com mais eficiência pelo time baiano.

Numa bola perdida no meio-campo, Neto Berola foi lançado nas costas de Manoel e venceu Galatto – 2 a 1. Na sequência, Nei foi expulso ao cometer uma falta boba e prejudicou qualquer reação do Furacão.