O presidente do Barcelona, Sandro Rosell, afirmou neste sábado que reduzirá os gastos para diminuir a dívida do clube, avaliada em mais de 400 milhões de euros (US$ 563 milhões). Ele prometeu ainda tomar alguma medida legal contra o antigo presidente, Joan Laporta, que permitiu o aumento do déficit.

Somente na temporada passada, o Barcelona perdeu 79,6 milhões de euros (US$ 112,2 milhões), o que irritou a nova direção do clube catalão. “Não sei se eles pegaram dinheiro, mas não gosto nada de aprovar contas com um déficit de 79 milhões (de euros)”, disse o vice-presidente Javier Faus, na primeira reunião de Rosell com os sócios. “Eles precisam responder no tribunal”, completou Faus.

Apesar do difícil panorama, os dirigentes demonstraram otimismo. Primeiro, porque a receita de 415,4 milhões de euros é “a maior na história do clube”, segundo indicou Antonio Rossich, diretor geral. E também porque o corte de gastos será “ambicioso” e a nova gestão será “austera e dura”, ainda de acordo com Rossich.