O piloto brasileiro Rubens Barrichello, da Brawn GP, manteve as fortes críticas feitas contra sua equipe após os erros que tiraram suas chances de brigar pela vitória no Grande Prêmio da Alemanha, disputado ontem. “Se eu quiser, posso deixar a equipe no fim da temporada, porém agora quero continuar competindo”, declarou Barrichello após participar de uma reunião com os dirigentes da escuderia, que anunciaram que estudarão “internamente” o assunto.

O chefe da equipe, Ross Brawn, esclareceu que a boa relação mantida entre os membros da equipe e Barrichello não se romperá por conta das críticas feitas pelo brasileiro.
“Quero ter uma ideia geral, o que pensou, o que disse e depois atuaremos em nível interno”, avisou Brawn sobre a possibilidade de a equipe exigir retratações públicas de Barrichello.

Mas para o brasileiro, “são os diretores da equipe que têm que se desculpar”. O brasileiro largou na segunda colocação no GP do último domingo. Já na saída, Barrichello ultrapassou o australiano Mark Webber e assumiu a ponta.

Apesar disso e de não ter sido ultrapassado na pista, Barrichello terminou a prova apenas na sexta posição, após um problema na mangueira em um dos reabastecimentos. Já Webber, que além de ter sido deixado para trás por Rubinho foi obrigado a cumprir uma punição, venceu a corrida.