São Paulo – Apenas a armadora Vivian, da seleção brasileira que foi aos Jogos Olímpicos de Atenas, no ano passado permanece no grupo que inicia hoje, na Europa, jogos preparatórios para a Copa América, o torneio pré-mundial da República Dominicana, de 14 a 18 de setembro. O Brasil, no entanto, não depende de classificação para o mundial de 2006, como as demais seleções – como país-sede tem participação assegurada. O técnico chama o momento de transição, mas mesmo que quisesse não poderia ter agora as principais atletas do País atuando no exterior ou lesionadas.

Janeth e Iziane, por exemplo, optaram por atuar na WNBA e não jogam nem a Copa América, porque o torneio coincide com as datas dos playoffs. Alessandra, Kelly e Adrianinha, recuperando-se de lesões, podem voltar.

O técnico admite que as jogadoras estão sobrecarregadas por disputar Europeu, Paulista, WNBA e seleção. Sem investimentos, o basquete interno não tem clubes e salários para manter as atletas no País.

O fato é que Barbosa resolveu testar atletas que não são titulares em seus clubes, como a gigante pivô Isis, de 21 anos e 2,02 m, reserva em Ourinhos, a ala Jaqueline, de 19 anos e 1,78 m, que nem atuou no adulto – Jundiaí só tem até a categoria juvenil -, e a também ala Tayara, de 23 anos e 1,80 m, do Clube Verdade, de Ribeirão Preto. Com um grupo bem novo, "aposta" de Barbosa, a seleção joga o Torneio Internacional de Nórcia, nesta segunda, contra a Itália, e terça-feira, contra Israel. A partir de quinta-feira e até o dia 13, faz amistosos contra a seleção da Grécia, em Atenas.

"Tivemos um momento parecido com esse, após o mundial de 1998 quando Paula e Branca estavam deixando a seleção", compara Barbosa. "Temos um grupo em três faixas: as que têm experiência as que estão chegando agora e as que treinam, mas não tiveram participação efetiva em quadra. Os jogos oficiais deste ano e os amistosos vão ajudar o grupo a dar um salto de qualidade."

O técnico cita entre as atletas que eram "troca", sem responsabilidade de decidir, Mamá, Patrícia, Chuca, Lilian, Micaela, Vivian, Ega, Zani, que agora devem ser mais efetivas. Barbosa afirma que visa aumentar o número de jogadoras selecionáveis para o mundial. "Quero criar esse espírito de que ninguém tem cadeira cativa na seleção." A seleção também fará amistosos no País: Canadá (dias 20 e 21 de agosto); Cuba, Canadá e Argentina (24 a 27); Cuba (30 de agosto e 1.º de setembro).