Amanhã o dia será mais quente na sede da Federação Paranaense de Motociclismo. Pela primeira vez, nos últimos dez anos, um "bate-chapa" vai definir quem vai comandar os rumos da entidade. A novidade é a participação do grupo liderado pelo advogado Alexandre Westphal, que vai ingressou com uma chapa para concorrer contra o atual presidente, Gilberto Rosa, que comanda a FPrM desde 1999. São três mandatos seguidos.

Westphal é um amante do motociclismo há muito tempo. Segundo ele, a chance de poder colaborar para que o esporte cresça mais ainda no Paraná foi o que o fez lançar a candidatura. Nomes como Walter Navarro, Rui Ricardo, Jonas Ramos e Elievan Ales da Silva, integram a chapa de oposição. Além disso, o grupo tem o apoio da Associação Brasileira de Pilotos, através do seu presidente, Marlon Olsen.

A principal proposta da chapa de oposição na eleição da Federação Paranaense de Motociclismo é descentralizar o esporte, regionalizando competições. "Além das cidades menores, onde ainda há muito o que investir, pretendemos resgatar as competições nos grandes municípios do Estado", afirmou o candidato. Para ele, cidades como Curitiba, Londrina, Maringá, Cascavel e Ponta Grossa não podem continuar sediando tão poucas provas como nos últimos anos. "E temos certeza que é possível fazer isso sem prejudicar outras cidades, apenas adequando o calendário", comentou Westphal.