O Bayern de Munique chega às quartas-de-final da Liga dos Campeões como azarão contra o Barcelona, ainda mais depois de ser goleado por 5 a 1 pelo Wolfsburg, no Campeonato Alemão. E a equipe bávara não nega sua condição. Pelo contrário, evoca até uma certa vocação milagreira do futebol para superar o rival no confronto, que começa na quarta-feira, no Camp Nou.

“É quase uma missão impossível, mas sabemos que milagres e coisas extraordinárias podem acontecer no futebol”, afirmou o ex-ídolo Karl-Heinz

Rummenigge, atualmente diretor do clube. Ele lembrou o maior feito do futebol de seu país para sustentar a tese – na Copa de 1954, a Alemanha perdeu por 8 a 3 para a Hungria na fase de grupos, mas venceu por 3 a 2 na final.

Rummenigge poupou o treinador Jurgen Klinsmann das críticas pela goleada sofrida no Alemão, e preferiu questionar a atuação dos jogadores. “Eles precisam assumir a responsabilidade. Eles sabem que o mundo inteiro está assistindo, e têm de provar sua capacidade”, afirmou.

Nas oitavas-de-final, o Bayern humilhou o Sporting, de Portugal, com duas goleadas históricas – primeiro, venceu por 5 a 0 na casa do rival, depois aplicou 7 a 1 na segunda partida.