Que o futebol já não é mais um esporte predominantemente masculino, todo mundo sabe. O que ninguém imagina é o quanto as mulheres estão ‘invadindo’ e ganhando espaço neste universo. Se antes a presença feminina nos estádios era apenas nas arquibancadas, e muito timidamente, agora elas estão também dentro de campo e fazem parte do espetáculo, apitando e bandeirando as partidas. Propositalmente ou não, a CBF escolhe as mais bonitas para atuar.

Allan Costa Pinto
Katiuscia Berger Mendonça: atuação polêmica.

Tudo começou em 2003, com a árbitra Sílvia Regina de Oliveira e a bandeirinha Ana Paula Oliveira – as pioneiras na função – comandando os jogos no Campeonato Brasileiro. Agora, não são poucas as que se aventuram no apito. Já contabilizando a atual rodada da Série A, e a 24.ª rodada da Série B, que começa amanhã, foram poucas as vezes em que nenhuma mulher participou. Em 46 rodadas, elas só passaram em branco seis vezes (duas na Série A e quatro na B). Considerando o número de partidas até aqui, elas já atuaram em 18,9% do jogos.

No total, uma árbitra – Grazianni Maciel Rocha (RJ) – e 12 assistentes já participaram do Brasileirão. Atualmente, o quadro da CBF conta com 14 árbitras e mais 54 banderinhas femininas, sendo três delas filiadas à Federação Paranaense de Futebol – Edina Alves Batista, Fernanda Braz Borghezan e Sandra Maria Dawies. Das três, apenas Edina participou do Campeonato Brasileiro. Foram três partidas, todas pela Série B.

Felipe Rosa
Vanessa de Abreu Amaral: torcida do Paraná gostou.

Participando dos jogos do Trio de Ferro, elas apareceram em 12 oportunidades, já contabilizando o duelo do Furacão contra o Flamengo, hoje à noite. O Atlético teve a atuação delas em cinco partidas, assim como o Paraná. Já o Coxa só recebeu duas vezes as banderinhas. Quem mais atuou em jogos do Trio de Ferro foi Nadine Schramm Camara Bastos, que foi relacionada três vezes.

Em uma delas, teve a infelicidade de levar uma bolada no rosto. Na vitória do Tricolor por 2 x 0 sobre o Atlético-GO, no Serra Dourada, ao tirar a bola do adversário com um chutão para a lateral, o zagueiro Alex Alves acertou em cheio a bandeirinha, que caiu no chão e precisou ajuda médica para se recuperar. Outra atuação que marcou foi a da capixaba Katiuscia Berger Mendonça (ES). No jogo Cruzeiro 1 x 0 Atlético, no sábado passado, ele anulou um gol legítimo da Raposa.