Um mês depois de ser alvo de muitas críticas por sua atuação na Copa Davis, Thomaz Bellucci resolveu contra-atacar nesta sexta-feira. O número 1 do Brasil reclamou dos comentários negativos sobre sua desistência no última dia de disputas contra a Índia e criticou a qualidade dos treinadores em atividade no País.

Bellucci foi o alvo principal da torcida, após a derrota para os indianos, por ter abandonado logo no início da quarta partida do confronto. A equipe da Índia obteve a virada, por 3 a 2 no placar geral, e eliminou o Brasil, favorito do duelo, que desperdiçou mais uma vez a chance de alcançar o Grupo Mundial da Davis.

“As críticas são duras. Para mim é uma honra representar o País, mas as críticas acabam nos desestimulando a jogar a Davis”, reclamou Bellucci, que garantiu sua permanência na equipe brasileira nos próximos confrontos da competição.

Para Bellucci, uma das principais razões para o tênis brasileiro não deslanchar é a incompetência de seus treinadores. “Os técnicos são muito fracos. Podem ajudar um jogador a chegar a ficar entre os 200 ou 150 melhores do mundo, mas dali em diante falta qualificação. Nunca tivemos tradição de técnicos bons e não é agora que vamos ter”.

O tenista criticou também os ex-jogadores, que não estariam contribuindo com o desenvolvimento do esporte no Brasil. “Os ex-jogadores não estão fazendo nada pelo tênis, nada para ajudar os outros a alcançar o lugar ao qual chegaram”, disse Bellucci, na coletiva de apresentação da etapa de São Paulo da Copa Petrobrás. O número 1 do País buscará o bicampeonato neste ano.

A competição, que terá início na segunda-feira, terá a participação de outros sete brasileiros, incluindo Tiago Fernandes, uma das promessas do País. Além dele, entrarão em quadra João Souza, Thiago Alves, Marcos Daniel, Rogério Dutra da Silva, Júlio Silva e Caio Zampieri.