A seleção brasileira masculina de vôlei teve pouco tempo para comemorar a vitória sobre Cuba, por 3 sets a 1, pelas semifinais da Liga Mundial. O foco da equipe já está na Rússia, adversária da decisão neste domingo, às 21 horas (horário de Brasília), e o técnico Bernardinho afirmou que a equipe precisará ser inteligente e jogar com velocidade na final em Córdoba, na Argentina, para faturar o seu nono título do torneio.

“Depois dos jogos que não jogamos nosso melhor, começamos mal a partida, mas depois jogamos como estamos acostumados: com volume, sacando forte e bloqueando. Amanhã temos que jogar com a cabeça, de forma inteligente, com velocidade. Creio que manterei a base que terminou a partida. Não podemos permitir que a Rússia faça muitos pontos de bloqueio como fez na semifinal. Não adianta enfrentar o bloqueio na força. O que está em jogo é uma final. Não importa se vamos ou não passar a Itália e nos tornar o maior campeão da Liga Mundial”, afirmou.

Dante acredita que os russos tem um estilo de jogo parecido com o dos cubanos e ressaltou a necessidade do Brasil forçar o saque na decisão da Liga Mundial. “A Rússia é uma equipe mais ou menos parecida com Cuba. Quando eles estão na frente, fica difícil ultrapassá-los. Mas, quando estão em desvantagem, eles têm dificuldades de se recuperar. Temos que continuar forçando o saque como fizemos contra o time cubano”, disse.

O levantador Marlon elogiou o adversário e disse que o Brasil precisará ser perfeito diante da Rússia para deixar a Argentina com o título da Liga Mundial. “Jogamos bem contra Cuba, mas contra a Rússia, precisamos ser perfeitos. Os russos são mais conscientes e experientes que os cubanos”, comentou.