João de Noronha
Djalma Santos recebeu o título de cidadão honorário de Curitiba e elogiou o gramado da Arena. "No meu tempo tempo era só um campinho ruim".

O Atlético recebeu ontem a visita para lá de ilustre do maior lateral-direito de todos os tempos: Djalma Santos. O bicampeão mundial das Copas de 1958 e 1962 veio a Curitiba para receber o título de cidadão honorário da cidade. ?Fui convidado para estar aqui e estou com muita satisfação. Para mim, é uma honra ganhar esse título de cidadão honorário?, agradeceu. Antes da homenagem, porém, ele foi visitar a Arena e relembrar os velhos tempos de quando atuava ao lado de Bellini e companhia.

?Vim para o Atlético para atender um pedido do presidente Jofre Cabral e Silva. Mesmo já com 40 anos, fomos campeões. Naquela época não havia essa grama e sim apenas um campinho ruim?, disse, pisando no moderno piso da Baixada. Saudado pelo presidente João Augusto Fleury da Rocha, Djalma Santos ganhou uma camisa do Furacão personalizada e muitos elogios. ?A seleção havia perdido a Copa de 50, dentro de casa, e isso fez com que a nação perdesse o apreço e o orgulho que havia pelo nosso futebol. Djalma foi um dos grandes jogadores que reacendeu a paixão brasileira pelo futebol?, destacou o dirigente.

No momento, Djalma mora em Uberaba e ainda pratica o esporte, apesar de seus 76 anos. ?Jogo de zagueiro bananeira: plantado. É só pra não enferrujar?, brincou, mas é verdade. Todo domingo às 8h, ele se reúne com mais 84 senhores no Country Club da cidade mineira para se divertir. Além do Atlético, o ex-lateral passou ainda por Portuguesa e Palmeiras. Todos os três contam com a torcida de Djalma na hora dos jogos. Hoje, ele estará no Joaquim Américo para acompanhar a partida de seu Furacão contra o Juventude.